Sem apresentar evidências, Mourão diz que Copa América no Brasil tem 'menos risco' do que na Argentina

·1 minuto de leitura
Foto: Andressa Anholete/Getty Images
Foto: Andressa Anholete/Getty Images
  • Casa Civil se reunirá para debater realização da Copa América no Brasil

  • Equipe econômica vê evento com bons olhos e acredita que ajudará na criação de empregos

  • Conmebol agradeceu ao presidente Jair Bolsonaro por aceitar receber a competição

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira que no Brasil há "menos risco" para a realização da Copa América do que na Argentina. Para Mourão, o risco permanece, mas o Brasil tem a vantagem de poder espalhar os jogos por distâncias maiores. 

— A vantagem nossa é a amplitude do país e a quantidade de estádios, que a gente pode dispersar — disse Mourão, ao deixar o Palácio do Planalto no início da tarde. — Vamos dizer o seguinte. Não é que seja mais seguro. É menos risco. Não é mais, é menos. O risco continua.

Leia também

A Conmebol anunciou na manhã desta segunda-feira que a Copa América 2021 acontecerá no Brasil. A competição de seleções estava sem sede após Argentina e Colômbia desistirem de realizar o evento, que acontecerá entre 13 de junho e 10 de julho. 

Mourão ressaltou que a Argentina enfrenta um aumento de casos de Covid-19 nas últimas semanas e que a Colômbia passa por uma onda de protestos. 

Apesar de falar dos riscos, o vice-presidente também disse que a competição é segura pela previsão de que não haverá público. 

— Acho (que é seguro). Não tem público, né. Não tendo público, não há problema. É só dividir bem essas sedes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos