Mourão diz ter ouvido de Pazuello que proxima reunião com a Pfizer será gravada

O Globo
·1 minuto de leitura
Pablo Jacob / Agência O Globo

RIO — O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou em entrevista à Rádio Gaúcha nesta segunda-feira (11) que ouviu do general Eduardo Pazuello, ministro da Saúde do governo Jair Bolsonaro, que a próxima reunião com a Pfizer será gravada.

"Deve ser gravada para evitar mal entendido", disse Mourão na entrevista.

As negociações entre a farmacêutica e o governo brasileiro vêm emperrando e uma guerra de versões opõe os dois lados. Em 8 de dezembro, pressionado pelo início da vacinação no Reino Unido com a fórmula da companha, o Ministério da Saúde informou que as tratativas com a empresa haviam "avançado muito" na direção da aquisição de 70 milhões de doses do imunizante.

No dia seguinte, em entrevista à CNN Brasil, o ministro Eduardo Pazuello afirmou que a campanha de vacinação brasileira poderia começar em dezembro, o que não aconteceu, e chegou a mencionar a chegada de 500 mil doses do imunizante da Pfizer em janeiro, ainda que não houvesse formalização de compra e nem autorização de uso emergencial pela Anvisa. O anúncio causou desconforto na companhia, que manteve negociações com o governo.

Também nesta segunda-feira, em seu retorno ao Palácio do Planalto, após duas semanas em isolamento por ter sido contaminado com a Covid-19, Mourão afirmou que vai tomar a vacina sem "furar a fila":

— Dentro da minha vez. Eu sou grupo 2, de acordo com o planejamento. Não vou furar a fila.

O vice-presidente defendeu também que "a vacina é para todo o país" e que é "uma questão coletiva."