Descartado como vice de Bolsonaro, Mourão estuda concorrer ao Senado em 2022

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro e o vice Hamilton Mourão em evento no Palácio do Planalto
Presidente Jair Bolsonaro e o vice Hamilton Mourão: Não há diálogo entre os dois atualmente (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
  • Vice-presidente Hamilton Mourão avalia concorrer ao Senado em 2022

  • Ele já foi descartado pelo presidente Jair Bolsonaro para compor a chapa à reeleição no próximo ano

  • Filiado ao PRTB, Mourão descarta disputar a Presidência da República contra Bolsonaro

descartado pelo presidente Jair Bolsonaro na chapa para a eleição de 2022, o vice-presidente Hamilton Mourão, afirmou na quinta-feira (22) que avalia a possibilidade de concorrer ao Senado no ano que vem. Filiado ao PRTB, Mourão descarta, no entanto, ser candidato à Presidência da República contra Bolsonaro.

“Hoje estou preparado para cumprir minha parte como vice-presidente do presidente Bolsonaro e acompanhá-lo até o final desse mandato”, disse Mourão em entrevista ao programa Brasil em Questão, transmitida pelo Facebook.

Leia também

“A partir daí, ou então antes disso, se por acaso houver uma outra oportunidade de eu contribuir para a melhoria do nosso país, a gente estuda essa situação”.

Segundo ele, disputar a Presidência contra Bolsonaro é algo que está “fora dos seus preceitos éticos”.

“Eu jamais irei concorrer contra ele”, declarou. “Agora, pode ser que seja necessária a minha participação para concorrer ao Senado. Isso ainda está em estudo”, falou.

“Na realidade, hoje, a linha de ação número 1 é terminar o mandato e a partir daí retornar a minha vida, vamos dizer assim, de aposentado. Eu acho que já tenho uma contribuição aí de 50 anos para o nosso país. Eu acho que mereço um pouco de descanso”, finalizou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Amazônia

Na entrevista ao programa Brasil em Questão, Hamilton Mourão também defendeu as ações do governo federal para o combate ao desmatamento na Amazônia. Presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, ele anunciou que o Planalto analisa estender a operação Verde Brasil 2 até julho deste ano.

“Nós queremos apresentar um resultado positivo na faixa de uma redução entre 15% e 20% daquilo que tinha ocorrido no ano anterior”, declarou o vice-presidente.

A redução é referente aos índices registrados de 1º de agosto de 2020 a 31 de julho deste ano –período que correspondente ao ciclo de medição do Prodes, sistema do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

A Força Nacional já atua há mais de um ano na proteção das unidades federais de conservação da Amazônia contra o desmatamento e a extração ilegal de minério e madeira.