Movimento Black Lives Matter é indicado ao Prêmio Nobel da Paz

·1 minuto de leitura
Várias bandeiras tremulam acima da Black Lives Matter Plaza, perto da Igreja Episcopal de St. John, em 12 de janeiro de 2021, em Washington, DC

Um parlamentar norueguês indicou o Black Lives Matter (BLM) para o Prêmio Nobel da Paz. O movimento antirracista e pelos direitos civis ressurgiu no ano passado após a morte do negro americano George Floyd.

Fundado em 2013 nos Estados Unidos, esse movimento "se tornou um dos mais poderosos do mundo na luta contra a injustiça racial", disse à AFP neste sábado Petter Eide, deputado da esquerda socialista.

“O movimento começou há alguns anos nos Estados Unidos (...) e depois se espalhou para outros países, sensibilizando para a importância do combate às injustiças raciais”, acrescentou o parlamentar.

Após a morte de Floyd nas mãos de um policial branco em maio de 2020 nos Estados Unidos durante uma prisão, o Black Lives Matter levantou sua voz ao mundo para exigir mudança e melhor representação.

Dezenas de milhares de pessoas (deputados e ministros, ex-laureados, alguns professores universitários, etc.) podem indicar candidatos ao Prêmio Nobel da Paz.

As indicações, que devem ser enviadas antes de 31 de janeiro, geralmente são mantidas em segredo, a menos que seus promotores decidam torná-las públicas.

Além do BLM, o fundador do Wikileaks, Julian Assange, um trio de opositores bielorrussos, organizações que promovem a vacinação e até mesmo o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump estão entre os indicados.

O sucessor do Programa Mundial de Alimentos (PMA) à frente do renomado prêmio será anunciado no início de outubro.

hdy/phy/ial/tjc/mab/jc