Movimento conservador de PE denuncia vereadora que foi atacada com spray de pimenta

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O movimento conservador Pernambuco no Rumo Certo enviou uma notícia-crime ao Ministério Público do estado de Pernambuco contra a vereadora Liana Cirne (PT-PE), que foi atacada com spray de pimenta por policiais militares durante protesto contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) realizado no Recife no último sábado (29).

O episódio ocorreu depois de Cirne se aproximar de uma viatura da PM e se identificar como parlamentar. O jato em direção ao seu rosto fez com que ela fosse ao chão.

Naquele sábado, a manifestação pacífica na capital pernambucana foi encerrada violentamente por policiais do pelotão de choque com bombas de gás lacrimogêneo e tiros de balas de borracha. Dois homens que não estavam no protesto perderam a visão de um dos olhos.

A representação feita pelo movimento conservador afirma que o Ministério Público “tem o dever de apurar a eventual existência de práticas delituosas por parte da manifestante Liana Cirne, que, segundo fotos e vídeos amplamente divulgados por populares e por meio da imprensa, se utilizou do cargo de vereadora para dar ‘carteirada’ e impedir a ação da Polícia Militar”.

A notícia-crime é assinada pelo advogado Rubem José Brito Júnior e pelo líder do Pernambuco no Rumo Certo, Remilton Melo. Eles também pedem que o governador do estado, Paulo Câmara (PSB), seja investigado por ter afastado o oficial comandante da operação durante os protestos, além de quatro policiais envolvidos diretamente na agressão à vereadora.

“A gente vê sempre as ações do governador. Quando tem manifestação a favor de Bolsonaro, ele sempre bota a polícia, autua integrantes, leva para a delegacia, prende veículo. Só que nesse movimento de esquerda, não. Houve, sim, um incidente muito grave, só que isso foi uma fatalidade gerada pela violência da esquerda”, afirma Remilton Melo, que aponta uma mudança no percurso do protesto como motivação para a ação policial.

A vereadora Liana Cirne diz ver a denúncia como um “disparate”. “São homens destituídos de coragem, de moral, e querem se autopromover porque o gesto que fiz ganhou notoriedade”, diz.

“Infelizmente, a extrema-direita que vive numa bolha distópica cria uma narrativa sem compromisso com os fatos. É surpreendente. As pessoas estão defendendo a ação do policial, que é, de todos os pontos de vista jurídicos, indefensável”, segue.

Criado neste ano, o movimento Pernambuco no Rumo Certo tem o guru bolsonarista Olavo de Carvalho como um de seus pilares e busca promover cursos de formação e seminários que versem sobre o conservadorismo. “A gente está em uma guerra cultural”, afirma Remilton Melo.