Movimento negro pede indenização de R$ 40 milhões à Zara após caso de racismo

·2 minuto de leitura
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • Entidades de movimento negro ingressaram na Justiça contra a rede de lojas Zara;

  • As ONGs pedem R$ 40 milhões de indenização por dano moral coletivo;

  • Segundo a empresa, o impedimento de Ana Paulo Barroso teria sido causado por máscara no queixo.

A Educafro (Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes) e o Centro Santo Dias de Direitos Humanos, duas entidades relacionadas ao movimento negro, ingressaram na Justiça do Ceará contra a Zara, rede de lojas de roupa, pedindo R$ 40 milhões de indenização por dano moral coletivo. 

De acordo com Márlon Reis, advogado que representa as ONGs na ação, “não é um ponto isolado da Zara. Existe uma posição do comércio, especialmente das lojas situadas em shoppings, em lugares 'sofisticados', em que há evidentemente uma política de branqueamento da clientela.”

Leia também:

O caso, que gerou a ação, aconteceu no dia 14 de setembro, quando Ana Paula Barroso, delegada e diretora-adjunta do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis da Polícia Civil do Ceará, relatou ter sofrido a discriminação racial em um shopping de Fortaleza.

Segundo Ana Paula, na situação, o funcionário disse que a impedia de entrar na loja da Zara por uma suposta determinação da segurança do shopping.

De acordo com representantes da Zara, a ação do funcionário se deu porque a advogada estava tomando sorvete no momento que entrava no local, utilizando a máscara de forma inadequada e, portanto, contrariando os protocolos exigidos contra a covid-19.

Ana Paula confirma que estava tomando sorvete na ocasião, mas também afirma que teria questionado o funcionário se esse era o motivo que impedia a entrada. Contudo, o homem teria apenas repetido que ação era determinação da segurança do shopping.

Após um tempo, ao falar com o chefe de segurança do shopping e retornar à loja, o gerente da Zara confirmou a história da delegada, desculpando-se em seguida. 

No dia 20, a Polícia Civil do Ceará foi ao local recuperar as imagens de vídeo do circuito interno de segurança.

As informações são do UOL.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos