MP designa 2 promotores para investigação de morte de padre no Paraná

Morte de padre ainda é investigada pela polícia (Foto: Reprodução/Diocese de Toledo)
Morte de padre ainda é investigada pela polícia (Foto: Reprodução/Diocese de Toledo)
  • Padre foi encontrado morto no início da semana;

  • Corpo do religioso foi achado dentro de paróquia na cidade de Guaíra;

  • Falou-se de violência política, mas polícia trabalha com a hipótese de suicídio.

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) designou na terça-feira (23) dois promotores de Justiça para atuar na investigação da morte do padre José Aparecido Bilha, de 63 anos. A informação é do portal g1.

De acordo com o MP, os promotores que vão atuar na investigação são Ferando de Souza Verano Pontes e Laís Goulart Muller.

O religioso foi encontrado morto na última segunda-feira (21) em uma paróquia na cidade de Guaíra, no oeste do Paraná. A Diocese de Toledo confirmou a informação e relatou que o corpo de Bilha estava dentro da Paróquia Nossa Senhora Aparecida.

Responsável pelo caso, o delegado João Paulo Lauandos, da Polícia Civil, porém, esclareceu que "não há indícios de homicídio" após o início do inquérito.

De acordo com a corporação, a principal hipótese é de que José Aparecido tenha se suicidado.

Segundo o delegado, a polícia ainda aguarda os laudos da Criminalística e Instituto Médio-Legal (IML) e testemunhas. A conclusão do inquérito deve ocorrer em até 30 dias.

Entenda o que se sabe sobre o crime:

Localização do corpo

José Aparecido foi encontrado por funcionários da paróquia pela manhã. Inicialmente, a diocese não divulgou detalhes, mas a polícia confirmou a existência de um corte profundo na altura da garganta.

Violência política?

Logo após a confirmação da morte, pessoas próximas do padre noticiaram que ele vinha alertando que era perseguido por ter declarado apoio ao presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na eleição presidencial.

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) chegou a considerar que era "impossível descartar violência política".