MP e Defensoria cobram que Rio contrate 2,5 mil profissionais de saúde

A Defensoria Pública e o Ministério Público do estado entraram com uma petição na Justiça solicitando que a prefeitura do Rio contrate, no prazo máximo de cinco dias, 2.547 profissionais da saúde. O déficit, segundo o documento, decorre da decisão do município de rescindir o contrato com a Organização Social (OS) Viva Rio e transferir a gestão de cerca de 80 unidades para a empresa municipal RioSaúde.

Segundo a petição, representantes da Secretaria municipal de Saúde se comprometeram, em reuniões no mês passado, a convocar profissionais aprovados em concurso e a fazer contratações emergenciais até 20 de fevereiro, data do fim do contrato com a OS.

O acordo não foi cumprido, segundo o MP e a Defensoria. A estimativa é que 6.958 funcionários do Viva Rio foram demitidos e 4.411 profissionais da saúde foram contratados, o que gerou déficit 2.547 vagas.

Em transmissão ao vivo na internet, na noite desta segunda-feira, a secretária municipal de Saúde, Beatriz Busch, disse que cerca de 5 mil funcionários já foram contratados pela RioSaúde para atuar na atenção primária, o que representa 80% da equipe necessária. No domingo, reportagem do GLOBO mostrou que há unidades sem médicos e com equipes desfalcadas, num momento que a rede precisa estar preparada para enfrentar o coronavírus.