MP investiga Prevent Serior por uso de remédio contra câncer no tratamento da covid-19

·2 minuto de leitura
Man taking vitamins and supplements
Remédio está sendo receitado para todos pacientes internados com covid-19, mesmo sem comprovação científica (Foto: Getty Images)

O Ministério Público de São Paulo investiga a rede Prevent Serior por estar usando um medicamento contra o câncer no tratamento da covid-19. A informação foi revelada pela rádio CBN.

A denúncia anônima relata que pacientes contaminados com coronavírus estariam recebendo prescrição de Frutamida, de 250 miligramas. Todas as pessoas com covid-19 recebiam a recomendação do medicamento. Originalmente, o remédio é usado em casos avançados de câncer de próstata.

Leia também:

De acordo com a CBN, que teve acesso aos documentos da investigação, mensagens trocadas entre médicos da rede mostram que a recomendação foi feita diretamente pelo médico Rodrigo Esper, diretor médico da Prevent Senior.

“Enfatizo a importância da prescrição da Flutamida, de 250 mg, de 8 em 8 horas, para todos os pacientes que internarem”, teria orientado Esper. Ele ainda se disse animado com a “melhora dos pacientes”.

Até o momento, o único medicamento aprovado no tratamento da covid-19 é o remdesivir, aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Não há qualquer comprovação de eficácia da Flutamida.

À CBN, o promotor Artur Pinto Filho, responsável pela investigação, afirmou que a apuração está em fase inicial. O MP-SP ainda está verificando a veracidade das mensagens. Para ela, caso haja comprovação, a situação é grave.

“É um print de diálogos que teriam sido promovidos por médicos da Prevent e que falam no uso da Flutamida, que é um medicamento para câncer. É alguém que tem acesso às conversas dos médicos, nas quais um deles está orientando os outros a dar Flutamida para os pacientes que estão com Covid. Toda essa situação me parece extremamente grave, porque induz a população, ou parte dela, a erros. Nós pedimos ao Cremesp que investigue o médico e verifique o que está se passando naquele hospital, pedimos a mesma coisa ao Coren e pedimos que a Vigilância Sanitária passe no hospital. Algo está acontecendo ali.”

A Prevenit Senior foi procurada pela CBN e disse que “não tem conhecimento da investigação do Ministério Público e esclarece que seus médicos não usam 'medicamento em massa', em hipótese alguma. A Prevent completa dizendo que todos os procedimentos adotados pelos profissionais da empresa primam pela segurança e saúde dos pacientes. O grupo afirma ainda que prestará todas as informações às autoridades.”

A rede não se posicionou sobre o uso da medicação.