MP Militar do Ceará recomenda a comandantes da PM medidas para conter adesão à manifestação e abertura de inquéritos administrativos

·1 minuto de leitura

RIO — O promotor de Justiça Militar do Ministério Público Militar do Ceará, Sebastião Brasilino de Freitas Filho, encaminhou nesta quarta-feira uma recomendação aos comandantes-gerais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do estado para que adotem medidas para "prevenir, perquirir e, se for o caso, fazer cessar, inclusive por meio da força" ato promovidos ou integrados por militares estaduais no dia 7 de setembro. O promotor também recomendou a instauração de procedimentos administrativos contra envolvidos na manifestação identificados.

A recomendação do MP Militar ocorre em meio à preocupação de governadores com a politização das Polícias Militares e após o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afastar um comandante da ativa, o coronel Aleksander Lacerda, por convocar para o ato previsto para o próximo mês. No texto, Sebastião Filho, que integra a Promotoria de Justiça Militar e Controle Externo da Atividade Policial Militar, afirma que se tem notícias de que, em outros estados, oficiais com função de comando têm convocado manifestações que defendem ideias como o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso Nacional, "sinalizando flagrante ruptura destes militares com a hierarquia, disciplina e defesa dos Poderes constituídos".

O promotor ressalta ainda que "o ordenamento jurídico abomina a ação de grupos armados, quer sejam civis ou militares, que se reúnam com o fito de promover a ruptura da ordem constitucional vigente e do Estado Democrático". Na recomendação, Sebastião Filho deu prazo de sete dias para que os comandantes prestem informações sobre as medidas adotadas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos