MP pede que Flordelis seja proibida de citar testemunhas de processo no qual é acusada de mandar matar o marido

Carolina Heringer
·2 minuto de leitura

RIO - O promotor Carlos Gustavo Coelho de Andrade pediu à Justiça, na última segunda-feira, que a deputada federal Flordelis dos Santos de Souza (PSD) seja proibida de citar testemunhas do processo no qual responde pela morte do marido, o pastor Anderson do Carmo. A solicitação é para que a parlamentar seja impedida de fazer a menção em qualquer manifestação pública, "seja em mídias impressas, radiofônicas, televisivas ouqualquer outra forma de comunicação pública".

Em dezembro do ano passado, a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, já havia proibido, a pedido do mesmo promotor, que Flordelis citasse testemunhas em mídias sociais. A solicitação para que a proibição fosse estendida a qualquer manifestação pública foi motivada por uma entrevista concedida pela deputada ao portal Metrópoles, na qual ela cita a testemunha Regiane Rabelo.

Na entrevista, Flordelis diz que pretende processar Regiane e afirma que usa tornozeleira eletrônica por causa de uma mentira contada pela testemunha. Em setembro do ano passado, uma bomba caseira foi jogada na casa de Regiane. A Polícia Civil apura o episódio.

“Pretendo (processar) sim. Eu quero saber da bomba que ela diz que foi jogada na casa dela. Cadê as provas, que até agora não foram apresentadas? Cadê o buraco da bomba? Foi para matar? Para destruir? Por causa dessa mentira eu carrego uma tornozeleira eletrônica até hoje. A minha perna esquerda está marcada até hoje, sinto dor na perna esquerda, tenho que tomar remédio. Vou carregar a marca para o resto da minha vida por causa de uma mentira que ela criou”, disse a deputada na entrevista.

No pedido feito para impedir que Flordelis cite testemunhas, o promotor Carlos Gustavo alega que "a conduta da acusada traz manifesto prejuízo à instrução criminal. A petição foi encaminhada à juíza Nearis dos Santos, que ainda não decidiu sobre o pedido. Também não consta, no processo, manifestação da defesa de Flordelis sobre a solicitação.