A MPB perde o produtor e arranjador Ruy Quaresma

·2 minuto de leitura

RIO - Músico, produtor e arranjador de artistas como Martinho da Vila e Beth Carvalho, além de compositor (em parcerias com Martinho, Jorge Aragão, Nei Lopes e Paulo César Pinheiro), o carioca Ruy Quaresma faleceu no fim da noite de terça-feira, aos 69 anos, de câncer, em um hospital na Zona Oeste do Rio. O pianista Gilson Peranzetta e sua mulher, Eliane, deram a notícia aos amigos de Ruy, por rede social.

— A classe artística está desolada. Gilson e eu estivemos ao lado dele nesses últimos seis meses com muito carinho. No domingo estivemos no hospital e foi nossa despedida — disse Eliane, informando que o corpo de Ruy Quaresma será cremado, em cerimônia fechada.

Ruy começou sua trajetória no violão aos 12 anos, incentivado por seu pai e avô, músicos amadores, e ainda, por sua prima Lindaura Rosa (viúva de Noel Rosa), a qual acompanhava em festas familiares. Mais tarde, estudou violão clássico, teoria musical, harmonia, contraponto, orquestração e regência. Trabalhou como arranjador nas orquestras da TV Globo e na Orquestra da Rádio MEC.

Como músico, Ruy Quaresma fez parte da Orquestra Paulo Moura entre 1974 e 1983. De 1975 a 1977, integrou A Fina Flor do Samba, grupo que tocou com Beth Carvalho. E, de 1979 a 1988, tocou na banda de Martinho da Vila.

Em 2002, Ruy Quaresma fundou a gravadora Fina Flor, também produtora e editora, produzindo e escrevendo arranjos para diversos CDs por ela lançados. Pela Fina Flor, saíram obras de Nei Lopes (como "Partido ao cubo", de 2004, ganhador do Prêmio da Música Brasileira de melhor disco de samba), Walter Alfaiate, Marcel Powell, Gilson Peranzetta, Leny Andrade, Quarteto em Cy, Nilze Carvalho, entre outros artistas. O lançamento mais recente da gravadora é "Quase 50", álbum que reúne os cantores Áurea Martins e João Senise.

Em 2010, o músico fundou com amigos, o bar Lapinha, na Lapa, centro boêmio do Rio de Janeiro, onde se apresentaram vários artistas da MPB.

"Ruy era muito bem humorado, daqueles que viviam fazendo piadas no estúdio, além, é claro, do talento nato para produzir. Tem uma linda e extensa história na música brasileira. Perdemos muito com a sua partida", escreveu no Facebook o cantor e violonista Chico Faria, que teve o seu segundo álbum, "É bom cantar", produzido por Ruy e lançado pela Fina Flor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos