MPCE pede que Conselho Regional analise vídeo de médica sobre vacina contra Covid-19: 'fará humanidade ser escrava'

Louise Queiroga
·1 minuto de leitura

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) pediu que seja analisado um vídeo de conteúdo duvidoso que circula nas redes sociais, feito pela médica Enilde Vasconcelos, de Fortaleza, a respeito da vacina contra Covid-19. Um ofício foi encaminhado, na terça-feira, dia 22, ao Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará (Cremec) e à Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (Sesa).

Segundo o MPCE, a profissional "dissemina informações possivelmente inverídicas a respeito da vacina para combater o coronavírus".

Em uma publicação de segunda-feira, dia 21, no Instagram da médica, ela diz que a vacina com RNA mensageiro "fará a humanidade ser escrava de mentes doentias".

"Para quem tomar essa vacina com RNA mensageiro, fique atento. Não aceita essa vacina", afirma.

Entre as atuais vacinas contra Covid-19, a que dispõe da tecnologia conhecida como RNA mensageiro (mRNA) é a da farmacêutica norte-americana Pfizer, com o laboratório de biotecnologia alemão BioNTech, que leva para o organismo humano uma cópia de parte do conteúdo genético do vírus.

Coordenador do CAOCidadania e promotor de Justiça, Eneas Romero considera como necessário obter mais informações sobre o conteúdo. Ele determinou que a Sesa, o Cremec e a Secretaria Executiva dos Juizados Especiais Criminais tomem conhecimento do caso para adotar eventuais medidas.

A ação do MPCE traz ainda uma abertura de investigação pela Promotoria de Saúde Pública.

A legislação estadual diz que a disseminação de informações falsas relativas à pandemia pode resultar em multa. Além disso, provocar alarde, anunciando desastre ou perigo inexistente, ou praticar qualquer ato capaz de produzir pânico ou tumulto pode ter como penalidade prisão simples, de quinze dias a seis meses, ou multa.