MPF abre inquérito contra Wajngarten por postagem com elogios à militares na Guerrilha do Araguaia

Leandro Prazeres
Fabio Wajngarten, secretário de Comunicação da Presidência

BRASÍLIA - O Ministério Público Federal (MPF) determinou a abertura de um inquérito civil contra Fábio Wajngarten, chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), pela postagem feita pelo órgão em redes sociais com elogios à atuação de militares no episódio conhecido como Guerrilha do Araguaia. A informação foi confirmada nesta quinta-feira. O inquérito vai apurar, também, se outras autoridades tiveram participação na postagem.

A investigação será conduzida pelo procurador Paulo José Rocha Júnior, da Procuradoria da República do Distrito Federal (PRDF).

Em 5 de maio, a Secom fez uma publicação em redes sociais com uma foto da visita do tenente-coronel do Exército Sebastião Curió ao presidente Jair Bolsonaro. Curió é apontado por documentos da Comissão Nacional da Verdade (CNV) como um dos mais brutais oficiais do Exército durante a Guerrilha do Araguaia. A postagem da Secom, no entanto, chamou Curió e outros militares envolvidos na operação de "heróis".

Leia também

"A Guerrilha do Araguaia tentou tomar o Brasil via luta armada. A dedicação deste e de outros heróis ajudou a livrar o país de um dos maiores flagelos da história da humanidade: o totalitarismo socialista", diz um trecho da postagem.

Curió foi processado pelo desaparecimento forçado de nove militantes durante a guerrilha.

O inquérito foi aberto depois que a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) encaminhou um pedido à Procuradoria da República no Distrito Federal (PRDF) para apurar o caso.

Na representação, a PFDC afirma que a postagem feita pela Secom foi uma "ofensa direta e objetiva ao princípio constitucional da moralidade administrativa por representar uma apologia à prática, por autoridades brasileiras, de crimes contra a humanidade".

A peça diz ainda que o Brasil foi condenado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) em 2010 pelo desaparecimento forçado de militantes que participaram da guerrilha.

A Guerrilha do Araguaia aconteceu entre 1967 e 1974, quando um grupo de militantes de esquerda montou focos de resistência ao regime militar no interior da Amazônia. O Exército, então, organizou uma série de missões para derrotar os militantes, o que ocorreu em 1974.

Durante os conflitos, no entanto, houve o registro de execuções, torturas, prisões arbitrárias, desaparecimentos e até mesmo a criação de "campos de concentração" pelos militares.

Até hoje, familiares reivindicam a ação do governo para tentar localizar ossadas de militantes desaparecidos durante a Guerrilha do Araguaia.

Além disso, camponeses que foram usados pelos militares para localizar os guerrilheiros também tentam obter compensações financeiras pelos prejuízos causados na época. Muitos alegam terem sido presos e torturados.

A reportagem do GLOBO enviou questionamento à Secom sobre o inquérito, mas ainda não obteve retorno.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.