MPF denuncia três por assassinatos de Dom Phillips e Bruno Pereira

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Indígenas protestam em Recife após assassinato de indigenista Bruno Pereira e jornalista Dom Phillips
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério Público Federal (MPF) denunciou três pessoas pelos assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, ocorrido no mês passado no Vale do Javari, na Amazônia.

Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como "Pelado", Oseney da Costa de Oliveira, o "Dos Dantos", e Jefferson da Silva Lima, o "Pelado da Dinha", tiveram a denúncia aceita pela Justiça Federal do Amazonas e tornaram-se réus por duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáver, de acordo com nota divulgada pelo MPF.

Dom e Bruno desapareceram no Vale do Javari no início de junho. Depois de 24 horas sem dar notícias, as famílias de ambos fizeram o alerta pelas redes sociais e acionaram a polícia. Os corpos foram encontrados em um rio cerca de 10 dias depois.

De acordo com o MPF, Amarildo e Jefferson confessaram o crime, enquanto Oseney teve sua participação comprovada por testemunhas.

Em nota, o MPF explicou que já havia registro de desentendimentos entre Bruno e Amarildo por pesca ilegal dentro do território indígena. "O que motivou os assassinatos foi o fato de Bruno ter pedido para Dom fotografar o barco dos acusados, o que é classificado pelo MPF como motivo fútil e pode agravar a pena", diz a nota.

O jornalista britânico teria sido morto por estar junto com Bruno --ele estava no Javari fazendo pesquisas para um livro que escrevia-- para que não pudesse identificar os assassinos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos