MPF do Pará denuncia por racismo radialista que disse que indígenas devem ser 'extirpados'

O jornalista Hélio José Nogueira Alves foi denunciado nesta segunda-feira pela prática de discurso de ódio e racismo contra indígenas e quilombolas de Santarém, cidade situada no oeste do Pará. De acordo com a denúncia, o comentarista de programas de rádio locais afirmou, no ar, que indígenas precisam ser "extirpados" da região.

Novo RG: conheça o documento que começa a ser emitido no RS a partir desta terça-feira

Furto e estelionato: Saiba quem é o suspeito de matar mulher e bebê degolados em SC

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), Nogueira difunde a narrativa de que indígenas e quilombolas teriam sido "inventados" com o propósito de dificultar o desenvolvimento econômico da região.

Nogueira é atuante nas redes sociais e defensor do governo do presidente Jair Bolsonaro (PL). Uma de suas últimas postagens no Twitter, por exemplo, ataca o Supremo Tribunal Federal (SFF), chamado por ele de "grande piada de mau gosto".

Duplo homicídio: Mãe e filho recém-nascido são encontrados mortos dentro de apartamento em Blumenau (SC)

Após a denúncia, Nogueira se manifestou no Facebook. O radialista afirmou que suas declarações foram tiradas de contexto, culpou a ação de ONGs por falta de desenvolvimento da região e voltou a dizer que etnias indígenas devem ser extirpadas.

"É uma frase maliciosamente colocada fora do contexto. O que eu disse é que ONGs tem tentado criar problemas ao desenvolvimento econômico da região oeste do Pará, inventando falsas etnias indígenas como os Munduruku do Planalto Santareno, até hoje não reconhecidos pela Funai. As ONGs são contra a construção do Porto do Maicá e o desenvolvimento econômico da região. Essas falsas etnias têm que ser extirpadas, sim", escreveu.

Procurados pela Interpol: Irmãos brasileiros são deportados dos EUA e presos no Aeroporto de Confins

O MPF pediu, na denúncia, que a Justiça Federal determine a retirada dos vídeos das redes sociais. Os procuradores pediram ainda que, pelos danos morais cometidos, o acusado seja condenado a pagar R$ 300 mil para as etnias indígenas e comunidades quilombolas atacadas.

Há também um pedido, na área civil, que o radialista e a empresa sejam condenados a fazer retratações públicas nos canais em que indígenas e quilombolas foram ofendidos. Também foi demandado que o radialista apresente conteúdos "informativos propostos por indígenas e quilombolas, que apresentem e valorizem a cultura e a história desses povos".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos