MPF pede abertura de Parque Olímpico para receber pacientes com coronavírus

CARLOS PETROCILO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério Público Federal pediu, nesta segunda-feira (23), que a Secretaria Nacional do Esporte informe sobre a possibilidade de disponibilizar as arenas do Parque Olímpico, no Rio de Janeiro, como local de enfrentamento ao coronavírus.

O procurador Leandro Mitidieri, do Grupo de Trabalho da Olimpíada do MPF, concedeu o prazo de 10 dias após a pasta tomar ciência. A Secretaria é subordinada ao Ministério da Cidadania.

O Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, foi construído para os Jogos do Rio em 2016 e tem capacidade para abrigar 107 mil pessoas. Com cancelamentos de treinos, competições e eventos, o local está vazio.

Em janeiro deste ano, a Justiça Federal do Rio determinou a interdição dos espaços e deu prazo para que sejam providenciadas licenças exigidas, como laudo de vistoria do Corpo de Bombeiros e Habite-se, documento emitido pela prefeitura. O MPF contesta o fato de o local funcionar com alvará provisório.

Atualmente, as instalações (o Parque Olímpico da Barra da Tijuca e o Complexo Esportivo de Deodoro) têm administração dividida entre o governo federal, a Prefeitura do Rio e a iniciativa privada. A prefeitura recorreu e, 13 dias depois, a justiça decidiu pela reabertura dos locais.