MTST e frente Povo Sem Medo ocupam prédio da Bolsa de Valores de SP em protesto contra a fome

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP: Gráfico de índices de indicadores econômicos na sede da Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Diego Padgurschi/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP: Gráfico de índices de indicadores econômicos na sede da Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Diego Padgurschi/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Manifestantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e da frente Povo Sem Medo ocuparam o edifício-sede da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), na região central da capital, no início da tarde desta quinta-feira (23), em um protesto contra a fome.

A ideia é a de fazer uma manifestação simbólica para evidenciar a gravidade do problema da fome no Brasil atualmente, que ocorre de maneira simultânea ao enriquecimento dos estratos mais ricos do país, dizem os organizadores. Na base do processo, afirmam, estão as políticas do governo Jair Bolsonaro.

"Estamos acompanhando a situação calamitosa do país, 19 milhões de pessoas passando fome, 15 milhões de desempregados, inflação nos produtos básicos, na gasolina, no butijão de gás. Do outro lado, tivemos a duplicação do número de bilionários no país. Gente que recebe dinheiro de maneira fácil, não investe no crescimento do país. Isso decorre da política de Bolsonaro de privilegiar o setor financeiro às custas da miséria do povo. Isso é o que viemos denunciar ", afirma Felipe Vono, coordenador do MTST.

Segundo ele, o mote mais geral do protesto é "tá caro, a culpa é do Bolsonaro". Vono afirma que é um ato simbólico, pacífico, no qual apresentaram um jogral e também um manifesto com as motivações da intervenção. A ideia é deixar o edifício em breve.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos