Mudança de esconderijo e nervosismo marcaram a véspera da morte de ex-capitão do Bope Adriano

Em depoimento prestado na Delegacia de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), da Bahia, Leandro Abreu Guimarães, dono da fazenda onde o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega ficou escondido por meses, revelou detalhes sobre a véspera da operação policial que culminou em sua morte, neste domingo. O fazendeiro alegou ter sido ameaçado para levar o ex-militar ao sítio em Esplanada, na área rural daquele estado, onde acabou sendo localizado pela polícia. Esse último local pertence a Gilson da Dedé, vereador do PSL. Leandro revelou também que Adriano  apresentou sinais de muito nervosismo na véspera de sua morte.

O fazendeiro — que está preso por causa de armas encontradas em sua propriedade — disse aos policiais que conheceu Adriano em vaquejadas realizadas em cidades da Bahia e de Sergipe. Contou ainda que o ex-capitão do Bope chegou à Esplanada com a família dizendo estar de férias, no fim do ano passado. Pediu para conhecer propriedades na região, alegando estar interessado em comprar uma delas. Mas isso acabou não acontecendo e o ex-capitão ficou na casa de Leandro.