Mudança de vida após AVC e afasia: empresária se tornou atriz para lidar com distúrbio

Quem conversa com a atriz Sonia Reinol, de 61 anos, não imagina que ela convive com uma sequela do AVC que sofreu em 2010 e a deixou em coma por 14 dias: a afasia, que afeta a capacidade de a pessoa se expressar e compreender as linguagens escrita e falada e se tornou notícia após o ator Bruce Willis receber o mesmo diagnóstico. Muito comunicativa e bem articulada, ela é um exemplo de alguém que tem conseguido driblar o problema, com ajuda da arte. Após sofrer o AVC, ela deixou a carreira como empresária do setor de eventos e passou a acumular trabalhos nos palcos e no audiovisual. Atualmente, pode ser vista na série “Meu corpo minha onda”, na Amazon. Em agosto, filmará o curta “Colégio Girassol”, dirigido por Bruno Pereira, com previsão de lançamento em dezembro, nas plataformas de streaming. Ela interpretará a dona da escola.

Clássicos da música: Gravadora que herdou acervo da Top Tape lançará álbum com sambas-enredo remixados

Emancipação da Barra: Tema volta à pauta após três décadas

— No início de 2012, vi um anuncio de um curso. Sempre gostei muito de teatro e cinema, mas nunca imaginei fazer um curso. Resolvi me inscrever e comecei a estudar quatro horas todo sábado. Na época, faria cem anos do nascimento de Nelson Rodrigues, e a professora construía uma peça sobre a história dele. Ela me deu o papel de Madame Clessi, personagem que é muito comunicativa. Foi um desafio para mim assimilar o texto: levei dois meses para entender o significado da palavra “vendo” na peça, mas a professora teve paciência de me explicar e corrigir meus erros. No fim do ano, tirei onda na apresentação! Desde então, o teatro se tornou o meu remédio, porque exercita muito o meu cérebro e me deixa mais feliz — conta a moradora da Barra.

Do momento em que sofreu o acidente, ela só se recorda que estava tomando banho quando começou a sentir cãibra nos braços.

— Quando acordei no hospital, falava coisas sem sentido e não entendia nada do que os outros diziam. Era estranho. Eu poderia dizer carro querendo me referir a uma caneta, por exemplo. Após a alta, comecei a fazer fonoterapia, que diagnosticou a afasia. Sempre tive muita energia e resolvi enfrentar essa realidade me mantendo ativa: fiz muay thai, zumba e pole dance até me encontrar na arte, um ano e meio depois — relata a atriz. — Hoje, todo dia de manhã, converso com Deus, jogo caça-palavras, tomo um banho, um cafezinho e vou caminhar a pé ou de bicicleta. Falo com todo mundo o tempo inteiro, sempre brincalhona e com alegria.

Voando alto: Formada por jovens de comunidades, Orquestra de Rua toca na Alemanha

Novos teatros: Barra da Tijuca terá mais três salas até setembro

Seu principal objetivo atualmente é dar visibilidade à causa da afasia. Em abril do ano passado, lançou o livro “A filha do rei”, que, além de tratar de sua história desde a infância, conta como ela lida com o problema.

— Rei é Deus, que me ajudou muito a me recuperar do AVC — explica Sonia. — Aproveito qualquer oportunidade para falar sobre o tema. Às vezes, num café, abordo alguém e pergunto: “Você sabe o que é afasia?”, e esclareço. Esse conhecimento é importante, porque os afásicos precisam ser tratados com cuidado e carinho e ouvidos com calma. Senão, eles ficam com receio de se comunicar e não melhoram. Não dá para comprar na farmácia um remédio para a afasia. Nosso remédio é treinar o cérebro e o coração, além de fazer fono, que faço até hoje.

Sua última participação em filme foi no longa “Eu acredito em conto de fadas”, lançado em maio. No palco, o trabalho mais recente foi na peça “Jovens heróis”, em março deste ano, na qual interpretou uma diretora de escola vilã.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos