Muitos soldados ucranianos permanecem em Azovstal, comandante diz que operação segue em andamento

Siderúrgica de Azovstal, em Mariupol, na Ucrânia

Por Guy Faulconbridge

LONDRES (Reuters) - O cerco da Rússia à cidade ucraniana de Mariupol caminha ao fim nesta quinta-feira, com centenas de soldados ainda presos na siderúrgica de Azovstal e cerca de 1.700 que já se renderam encarando um destino incerto.

O abandono total dos abrigos e túneis da siderúrgica bombardeada enceraria o mais destrutivo cerco da guerra que começou quando a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro.

Não ficou claro quantos soldados continuam no lado de dentro.

O Ministério da Defesa da Rússia disse que 771 soldados do Regimento Azov haviam se rendido no último dia, levando o total dos que baixaram as armas desde segunda-feira a 1.730.

Autoridades ucranianas se recusaram a comentar, dizendo que pode colocar operações de resgate em risco.

Sviatoslav Palamar, vice-líder do Regimento Azov, publicou um vídeo de 18 segundos na quinta-feira dizendo que ele e outros comandantes ainda estavam no território da siderúrgica.

“Uma certa operação está em andamento, não divulgarei os detalhes dela. Obrigado ao mundo inteiro e obrigado à Ucrânia pelo apoio”, disse.

(Reportagem adicional de David Ljunggren)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos