Mulher é condenada a dois anos de prisão por tentar abrir porta de avião em pleno voo

The Independent

LONDRES - Uma mulher de 26 anos foi condenada a dois anos de prisão depois de tentar abrir a porta de um avião em pleno voo. A decisão foi anunciada nesta quarta-feira pelo Tribunal de Chelmsford, no Reino Unido. 

A britânica Chloe Haines foi considerada culpada por colocar em risco a segurança da aeronave e agredir um membro da tripulação. 

O incidente ocorreu a bordo de um voo da Jet 2 em junho do ano passado, que voava de Londres para Dalaman, na Turquia. O avião foi forçado a retornar para o Reino Unido quando Haines tentou abrir a porta, levando a Real Força Aérea a enviar dois jatos Eurofighter Typhoon para escoltá-lo.  

Membro da tripulação, Charley  Coombes sofreu aranhões enquanto lutava para impedir que Haines, que estava gritando “vou matar todos vocês” , abrisse a porta. 

A passageira, que se declarara culpada em uma audiência anterior, disse mais tarde que “desmaiou e realmente não se lembrava do que aconteceu”, depois de ter misturado álcool com medicamentos, contou o promotor Michael Crimp. 

 Em sua sentença, o juiz Charles Gratwicke disse que “aqueles que estão presos no espaço confinado da aeronave inevitavelmente ficarão angustiados, assustados e petrificados pelas ações daqueles que, em estado de embriaguez, colocam em risco suas vidas".

Em comunicado, o CEO da Jet 2 e Jet2 Holidays, Steve Heapy, disse que o caso foi "um dos casos mais graves de comportamento disruptivo de passageiros que vivenciamos". Haines foi proibida de voltar a viajar pela empresa.

O prejuízo estimado pela companhia com a alteração do voo foi de 86 mil libras (cerca de R$ 483 mil).