Mulher é detida por agentes do Segurança Presente após caso de injúria racial: 'negra escrota'

Uma mulher foi detida e conduzida à delegacia por agentes do Lapa Presente depois de proferir ofensas racistas e agredir a funcionária de um estabelecimento comercial na Avenida Gomes Freire, no Centro do Rio, na noite de quinta-feira.

Tentativa de assalto: Agente da PRF morre após cair de viaduto da Transolímpica durante confronto com assaltantes

Busca por envolvidos: Disque Denúncia pede informações sobre envolvidos na morte de agente da PRF na Transolímpica

Os agentes estavam em patrulhamento quando foram acionados por pedestres, que informaram sobre a ocorrência. Segundo testemunhas, a cliente estava alterada na loja, começou a insultar uma funcionária, a chamou de "negra escrota" e depois apertou seu pescoço. O caso foi encaminhado para a 5ª DP (Mem de Sá).

No dia 18 de outubro, a funcionária de um restaurante da Zona Sul também foi vítima de injúria racial. Lizandra Souza, de 27 anos, jantava durante uma pausa no trabalho quando os ataques começaram.

De acordo com a vítima, a mulher, identificada como Camila Berta, de 32 anos, começou dizendo: “Tinha que ser sapatão”. A atitude homofóbica não foi aceita pelas funcionárias, que questionaram o comportamento da cliente.

— Eu cheguei a oferecer minha comida japonesa, já que ela aguardava a dela sair e tava reclamando de fome. Ela pegou, cheirou, disse ‘não sei se gosto disso’ e colocou de volta — explicou Lizandra. — Nesse momento, uma outra funcionária chegou ali e apontou que ela (Camila) tinha colocado a mão na minha comida e que não ia comer. Foi aí que ela disse ‘a macaquinha me deu’. Nunca tinha sofrido algo assim. Me senti muito mal, não acreditava que aquilo estava acontecendo. Eu espero que ela pague — completou.

Imagens de Camila atacando outras pessoas foram feitas. No vídeo, é possível observar que um coro de 'racista' é feito por alguns dos que presenciaram a cena.

Há pouco mais de uma semana, a dentista Perla Spozito, de 24 anos, também foi vítima de injúria racial por parte do dono de um quiosque localizado na Praia do Pecado, em Macaé, no Norte Fluminense. Ao pedir para usar o banheiro do local, ela foi chamada de "neguinha" pelo homem, identificado como José Ronaldo. Ele foi detido em flagrante e autuado por injúria. Como pagou uma fiança de dois salários mínimos, responde em liberdade.