Mulher é enterrada no lugar de outra após troca de corpos em hospital da zona norte de SP

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma idosa de 91 anos foi enterrada no lugar de outra mulher, vítima de Covid-19, na última quarta-feira (5) em São Paulo. A troca dos corpos aconteceu no Hospital Municipal Dr. José Soares Hungria, em Pirituba (zona norte), e foi confirmada pelo filho dela, Antonio Soares da Silva, 66, que até agora não teve acesso ao corpo da mãe.

Ignácia Silva morreu na quarta-feira (5) no hospital municipal de Pirituba. No dia seguinte (6), Antonio compareceu à unidade de saúde para o reconhecimento do corpo e disse ter sido informado, após um tempo de espera, que os funcionários não estavam encontrando o corpo de sua mãe.

Após mais de duas horas de espera, Antonio foi levado ao necrotério do hospital. Ao ver os cabelos brancos de uma idosa, concluiu que era o corpo de Ignácia e assinou o documento que reconhecia que aquela era sua mãe.

Quando o corpo estava a caminho do cemitério Dom Bosco, em Perus (zona norte), o hospital entrou em contato com a funerária para comunicar que aquele era o corpo errado. A família, que estava no cemitério, pôde verificar e confirmar que realmente não era Ignácia.

O corpo era de uma mulher de 88 anos, vítima de Covid-19. A hipótese é de que Ignácia, que havia falecido por infecção generalizada e insuficiência cardíaca, tenha sido enterrada no lugar da outra mulher na quarta-feira (5).

A família de Ignácia foi até o 46º DP (Perus) para a abertura de um boletim de ocorrência.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública, gestão João Doria (PSDB), diz que "após realizar as oitivas com os familiares das duas vítimas e com representantes do hospital e do serviço funerário, a autoridade policial do 46º DP registrou o caso como não criminal e orientou as partes sobre as medidas judiciais cabíveis".

No registro do boletim de ocorrência, o funcionário do serviço funerário explica que, por terem se passado mais de 24 horas do sepultamento de Ignácia no nome de Idalina, não seria possível abrir a cova para reconhecimento.

"Muito provavelmente foi minha mãe que foi enterrada, mas eu não posso afirmar nada, se a minha mãe foi trocada, se não foi... Eu estou considerando minha mãe como desaparecida", relata Antonio, que não teve acesso ao corpo da mãe.

A família de Ignácia afirmou que pretende acionar a Justiça para pedir a exumação do corpo. "Está sendo muito triste. Eu não queria estar fazendo nada disso, mas faço porque muitas famílias vão se ver no meu caso", complementa Antonio.

A reportagem não conseguiu contato com a família da outra mulher até esta publicação.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), diz que o ocorrido é inadmissível e que, devido à gravidade do caso, o Cejam (Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim), a Organização Social responsável pela gerência do Hospital Municipal Dr. José Soares Hungria, afastou preventivamente o colaborador envolvido no caso.

"Uma sindicância já foi instaurada para apurar os fatos. A direção da unidade já reforçou as orientações para a tripla checagem, que é o protocolo instituído em todas as unidades hospitalares da capital", diz o texto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos