Mulher é presa por acobertar estupro da própria filha na Baixada Fluminense; pai da criança é o autor dos abusos

Agentes da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Nova Iguaçu prenderam, nesta segunda-feira, uma mulher acusada de acobertar o estupro da própria filha, de apenas 3 anos, em Queimados, na Baixada Fluminense. A investigação da Polícia Civil apontou que a mãe, identificada como Laisa dos Santos Dias Ferreira, avisou ao marido — autor do estupro e pai da criança — que o crime tinha sido descoberto e que ele deveria fugir.

Arquivos de pedofilia "extremamente violentos": 'Ele não é só estuprador, também é pedófilo', diz delegado sobre anestesista preso

Mais uma investigação: Polícia investiga se anestesista preso aliciava crianças para produzir conteúdo pornográfico

O pai, identificado como Vinicius Alberto de Carvalho Teixeira, está preso desde dezembro de 2022, dois meses após a denúncia do crime, que aconteceu em outubro, quando a criança estava hospitalizada em estado grave. Segundo a delegada Mônica Areal, titular da especializada, a mãe começou a ser investigada quando as versões apresentadas por ela foram mudando.

— Eles foram tão criminosos que a criança sempre viveu com a avó e com a companheira da avó. Como ela se mudou para perto, a avó estava deixando ela ficar um pouco mais com a criança. Quando aconteceu tudo, ela poderia ter pedido socorro à avó, mas não fez para tentar acobertar o ocorrido — explica a delegada.

Em outubro, Vinicius chegou a se apresentar com advogado, prestou declarações, afirmou ser inocente. No entanto, naquela época ainda não havia mandado de prisão para ele, pois a investigação estava em curso, era delicada, demorada e com vários depoimentos pendentes.

Com o decorrer das investigações, a Deam identificou, no depoimento do irmão de Laisa, que ela sabia dos abusos e acobertava o companheiro. Ele contou, também, que a irmã mantinha contato com Vinicius. Ele também alegou ter ouvido Laisa pedir que o companheiro a tirasse da "confusão".

A delegada responsável pediu, então, pela prisão do casal. A princípio, apenas a de Vinicius foi deferida. Com a continuidade das investigações, a Justiça entendeu a necessidade de prisão da mãe, pela omissão diante dos fatos. A prisão de Vinicius, que era temporária, foi agora convertida em preventiva, assim como a de Laisa.

Atualmente, a vítima está com uma família acolhedora e aguarda a possibilidade de voltar a viver com a avó materna.