Mulher acorda após semanas em coma, acusa marido de atear fogo nela e morre depois

Mulher acordou após dias de coma, mas não resistiu - Foto: Arquivo Pessoal
Mulher acordou após dias de coma, mas não resistiu - Foto: Arquivo Pessoal
  • Mulher estava em coma a semanas, acordou, acusou o marido e morreu dias depois

  • A vítima afirmou que o suspeito ateou fogo nela na frente da família

  • Versão do marido é de que a esposa tentou suicídio incendiando o próprio corpo

Uma mulher de 27 anos morreu no início dessa semana em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, após ter 90% do corpo queimado em um incêndio.

Pamela de Oliveira da Silva passou semanas em coma, mas acordou, acusou o marido de tê-la queimado viva e voltou a perder a consciência na sequência, indo a óbito dias depois.

O caso aconteceu no dia 21 de julho, na cidade de Rochedo. O suspeito afirmou que a esposa tinha problemas psiquiátricos e ateou fogo no próprio corpo na frente dos filhos, de 6 e 10 anos.

O rapaz registrou boletim de ocorrência alegando que a tentativa de suicídio aconteceu com toda a família em casa, sendo ele o responsável por tentar apagar o incêndio e levar a vítima ao hospital.

Em estado grave, a mulher foi internada e, posteriormente, transferida para a capital do estado. Dias depois, acordou do coma, chegou a ser encaminhada ao quarto e, apoiada pelo pai, contou sua versão da história.

Após mais de um mês de internação, porém, ela não resistiu aos ferimentos.

Versão da vítima

A versão narrada pela vítima, e registrada pelo pai dela em boletim de ocorrência na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), dá conta de que o marido atacou Pâmela após uma briga.

Durante a discussão, o homem teria jogado gasolina no quarto onde vivia com a esposa. Mesmo com o risco de morte, Pâmela convenceu os filhos a saírem para brincar, para não presenciar o entrevero.

Sem as crianças, o suspeito teria agredido a esposa com socos e chutes, fazendo com que ela caísse na cama encharcada. Nesse momento, riscou um fósforo e ateou fogo no cômodo com a vítima dentro.

“Ela falou que tentou sair, mas ele tinha fechado a porta. Quando ela saiu, próprio marido jogou uma coberta, mas não conseguiu apagar o fogo, só depois que ela foi jogada em uma caixa d’água”, relatou o pai de Pâmela.

Ainda segundo o relato, um dos filhos da vítima procurou a tia, irmã de Pâmela, e contou o que havia acontecido, mas foi ameaçado de morte pelo próprio pai.

"Ele (suspeito) sentou os dois filhos e falou que, se contassem, mataria os dois", relatou o avô das crianças.

Desesperada com a situação da irmã, a tia das crianças relatou ao pai o que havia acontecido. Dias depois, a própria Pâmela acordou do coma e confirmou o que havia sido narrado.

O caso, agora, é investigado pela polícia. O pai de Pâmela luta na Justiça pela guarda dos netos.