Mulher branca chama empresária de “macaca” dentro de shopping no RJ

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Diversidade
    Diversidade
Fabiana, à direita, foi para a delegacia com duas testemunhas para denunciar o caso de racismo (Foto: Reprodução)
Fabiana, à direita, foi para a delegacia com duas testemunhas para denunciar o caso de racismo (Foto: Reprodução)
  • Fabiana Garcia Cunha da Silva denunciou Maria Cristina Rodrigues dos Santos por racismo

  • As duas estavam em uma agência bancária, quando Maria Cristina chamou Fabiana de "macaca"

  • Maria Cristina Rodrigues dos Santos foi presa e flagrante e autuada por injúria, mas responderá em liberdade

Fabiana Garcia Cunha da Silva, que é uma mulher negra, registrou queixa por crime racial contra Maria Cristina Rodrigues dos Santos, de 53, na 16ª DP (Barra da Tijuca), uma mulher branca. O caso ocorreu na última quarta-feira (5) e foi revelado pelo jornal O Globo.

A vítima, que é empresária, contou que estava na fila de caixas eletrônicos em uma agência bancário dentro de um shopping na Barra da Tijuca. Maria Cristina Rodrigues dos Santos estava no mesmo local e começou a gritar e fazer ofensas de cunho racial contra Fabiana.

A acusada dizia que não conseguia realizar a operação que precisava no caixa eletrônico porque havia pessoas negras no local.

“Ela saiu da agência e estava visivelmente alterada, talvez insatisfeita por não ter conseguido resolver o que foi fazer. Foi para o caixa eletrônico, do lado de fora onde eu estava numa fila, e começou a falar que negros não prestam e quando não fazem na entrada fazem na saída e, entre outras agressões verbais, me chamou de macaca”, detalhou Fabiana, em entrevista ao jornal O Globo.

A empresária, então, pediu ajuda para um segurança da agência e ligou para a polícia. Autoridades enviaram uma viatura até o shopping e levaram Fabiana e Maria Cristina, além de duas testemunhas, para a delegacia.

Segundo Fabiana, a acusada tentou dar outra versão do ocorrido e disse que a empresária havia jogado uma “praga” nela. No boletim de ocorrência, Maria Cristina alegou que “tudo se tratava de bruxaria e que não teria cometido nenhum crime”.

“Ela tentou dar uma de louca. Infelizmente, o racismo está enraizado. Algumas vezes a gente tenta deixar para lá, mas não dá para fingir que não está vendo e deixar passar. Não é só por mim, mas também pelo meu filho e por outras pessoas negras. Isso tem de acabar. Só quem passa por isso é que sabe. Foi muito triste o que aconteceu, mas a justiça vai ser feita. Pelo menos fizemos a nossa parte”, disse Fabiana ao jornal.

Maria Cristina foi detida em flagrante e autuada por injúria por preconceito. O delegado Leandro Gontijo concedeu liberdade provisória e o caso seguirá na Justiça.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos