Mulher de Djokovic questiona rótulo de "ícone antivacina"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Jelena Djokovic não gostou das declarações de jornalista que chamou o marido de antivacina. Foto: Ryan Pierse/Getty Images
Jelena Djokovic não gostou das declarações de jornalista que chamou o marido de antivacina. Foto: Ryan Pierse/Getty Images

A presença de Novak Djokovic no US Open permanece em dúvida já que atualmente os Estados Unidos proíbem a entrada no país de quem não se vacinou contra a Covid- 19. Depois de vencer Wimbledon, seu 21º Grand Slam, o sérvio reconheceu que espera "ter boas notícias dos Estados Unidos".

"Não estou vacinado nem pretendo ser vacinado. Pedir isenção médica não é realista", disse. Ele também lembrou do que aconteceu na Austrália, quando chegou a ser detido ao chegar no país que sedia o primeiro Grand Slam da temporada. "O que aconteceu lá criou uma tempestade interior em mim e me custou sair", confessou.

Leia também:

Depois de toda a polêmica anterior ao Aberto da Austrália, país de onde acabou sendo deportado, 'Nole' se tornou um "ícone antivacina" para o público em geral. Isso foi lembrado pelo jornalista Ben Rothenberg relembrou, em sua conta no Twitter: "A menos que haja uma mudança rápida na lei de imigração dos EUA, Wimbledon será o último Grand Slam do ano de Djokovic. Os Estados Unidos exigem vacinação de estrangeiros para entrar, e Djokovic afirmou com firmeza que descartou a possibilidade de se vacinar, estabelecendo-se como um ícone das antivacinas”, escreveu o apresentador do NCR Tennis.

Um comentário que irritou Jelena, esposa de Djokovic. "Perdoe-me. Estou apenas me certificando de que fique registrado que VOCÊ o rotulou de referência antivacina por qualquer motivo. Ele acabou de tomar uma decisão pessoal sobre seu corpo", respondeu ela.

O jornalista não se calou e respondeu à mulher de Nole. "Eu entendo que é uma escolha dele, mas também digo que sua decisão de ser tão fortemente contra as vacinas e limitar sua capacidade de jogar torneios o tornou, intencionalmente ou não, um grande ícone do movimento antivacinas. Eu testemunhei muito claramente durante a Austrália", respondeu ele.

"Você está criando uma narrativa muito crítica que se encaixa na sua visão. Você está simplesmente escolhendo o que é melhor para o seu corpo. Se você não joga por ter tomado essa decisão, não tem problema ", continuou.

“Acredito que todos os cidadãos, especialmente figuras públicas, tinham o dever de agir com responsabilidade com ações e mensagens de saúde pública durante a pandemia e, como alguém que cobriu Novak como o campeão influente que ele é, tenho repetidamente decepcionado profundamente ", disse Rothenberg que não teve mais respostas de Jelena.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos