Mulher denuncia agressão de bolsonaristas durante carreata em SP; vídeo

Duas mulheres foram agredidas por participantes de uma carreata bolsonarista em São Paulo na tarde desta sexta-feira. Débora Alba, de 39 anos, conta que estava voltando de supermercado em frente a sua casa, no bairro de Higienópolis, quando viu um grupo tentando arrancar uma bandeira do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) das mãos de uma senhora idosa.

Entenda: Carreata bolsonarista fecha avenida nos arredores do Aeroporto de Congonhas

Além do Alvorada: conheça as quatro residências da presidência da República

— Ela estava com a bandeira na calçada. Eu vi quatro pessoas empurrando-a, tentando derrubar ela. É uma senhora de muita idade, que podia ser minha avó. Uma cena dessa a gente não consegue ficar quieta — diz Alba.

Os bolsonaristas teriam xingado com ofensas racistas um homem negro que se dispôs a intervir na agressão junto com Débora e outro grupo de senhoras idosas, segundo o relato. Após a intervenção, os agressores se dispersaram.

Mas, em seguida, conforme mostram imagens do local, um participante da carreata desce de um dos carros e avança sobre Débora.

— Um senhor desceu do carro e veio direto na minha direção para me agredir. O que eu vi foi ele colocando a mão no bolso, não sabia que ele ia tirar dali. — diz a mulher.

Na gravação, feita por um morador da vizinhança, é possível ver a presença de policiais na cena. Segundo Débora, eles liberaram o homem, que não foi identificado, que voltou ao carro e seguiu caminho na carreata.

— O meu marido, que é um homem negro, assistiu a cena da sacada e desceu correndo Ele que foi convidado a ir à delegacia depor. — relata a mulher, que diz ter feito uma notificação de ocorrência no local e classifica a conduta dos policiais como omissa. — Estamos reunindo imagens para ir até a delegacia.

A PM de São Paulo se manifestou em nota sobre o caso:

"A Polícia Militar esclarece que foi acionada para atender a uma ocorrência de agressão, na tarde da última sexta-feira (6), na Avenida Angélica, região central da Capital. No endereço indicado, uma equipe constatou que houve desentendimento entre as partes, mas a situação teria sido resolvida. Por este motivo, não houve detenções. Até o momento, o caso não foi registrado pela Polícia Civil. No entanto, a instituição está à disposição da vítima para formalização do BO".

Aeroporto de Congonhoas

Após atravessarem a Avenida Angélica, a carreata bolsonarista seguiu em direção aos arredores do Aeroporto de Congonhas. Em vídeos, alguns bolsonaristas chegam a alegar que o local está totalmente está ocupado. Sites especializados em monitorar pousos e decolagens, contudo, não apresentaram qualquer variação nas escalas desta sexta-feira.

O protesto teve início na Avenida 23 de Maio e comprometeu o trânsito na região. Vídeo do evento mostram manifestantes gritando palavras de ordem, como "nossa bandeira jamais será vermelha". Alguns que passavam pelo local, em desacordo, gritavam o nome do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Bolsonaristas também usavam sinalizadores nas cores verde e amarelo.