Mulher entra em trabalho de parto e bebê nasce na praça do pedágio da Transolímpica

·2 min de leitura

RIO — Uma mulher entrou em trabalho de parto quando passava pela Transolímpica, Corredor Presidente Tancredo de Almeida Neves, na tarde dessa quinta-feira. O pequeno Natan nasceu no pedágio da via expressa, local onde Michele Jardim Ribeiro, 35 anos, conseguiu parar e avisar que estava em trabalho de parto.

Michele pediu ajuda ao sentir contrações enquanto passava pela rodovia administrada pela ViaRio. A atendida pela equipe médica, chefiada pela Dra. Gabriela Meireles, que chegou ao local em três minutos para o atendimento. Depois do parto, a mãe e o menino foram levados para o Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, na Zona Oeste do Rio.

A Transolímpica é uma via expressa inaugurada para os Jogos Olímpicos de 2016 e liga a Avenida Brasil, na altura de Deodoro, ao Parque Olímpico da Barra da Tijuca.

Parto em ônibus

Esta semana teve mais um caso de parto em trânsito. Um menino nasceu a bordo de um ônibus da linha 867, em Campo Grande, na Zona Oeste da cidade. A mãe entrou em trabalho de parto durante a viagem. Os passageiros se mobilizaram para ajudar no que podiam. Enquanto alguns ajudavam o motorista a chegar no Hospital Rocha Faria, no mesmo bairro, outros auxiliaram no parto.

O motorista conseguiu entrar no hospital e chamar socorristas do Samu para o atendimento ainda dentro do ônibus, contou ao G1 uma das pessoas que acompanhou o parto.

Em um vídeo compartilhado nas redes sociais, um passageiro registrou o momento em que o bebê é levado por um socorrista do Samu. As pessoas aplaudem e dão parabéns à mulher. Enquanto caminha para descer do ônibus, ela pede desculpa por ter atrasado a viagem, mas os passageiros garantem não terem se incomodado.

Partos no ano passado

Em 2021, o taxista Marcelo Fraga, de 52 anos, recebeu um telefonema e teve que assumir o papel até então inimaginável de parteiro. Motorista há 33 anos, Fraga atendeu ao telefone e recebeu a missão de ajudar a estudante Estefanie do Nascimento, de 17 anos, a chegar à Maternidade Escola da UFRJ, em Laranjeiras, para o parto da pequena Nicoly. Mas não deu tempo, e a bebê nasceu dentro do carro, com a ajuda do pai, o auxiliar de logística Alan Dias, de 28 anos, e do próprio Fraga.

O taxista não foi o único que passou pela emoção de ser parteiro por um dia. No obscuro cenário de despedidas provocadas pela pandemia da Covid-19, garis da Comlurb e militares do Corpo de Bombeiros também tiveram o privilégio de ver uma vida nascer em seus braços.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos