Mulher foi abusada sexualmente no metaverso enquanto outro usuário assistia

Mulher de 21 anos afirma que foi abusada sexualmente na plataforma de metaverso da Meta enquanto outros usuários assistiam. Foto Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images.
Mulher de 21 anos afirma que foi abusada sexualmente na plataforma de metaverso da Meta enquanto outros usuários assistiam. Foto Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images.
  • Jovem foi abusada sexualmente em plataforma de metaverso da Meta;

  • Ela disse que seu avatar foi estuprado por um usuário enquanto outro assistia;

  • Um porta-voz do Meta disse que a jovem não tinha ativado o recurso de limite de distância da plataforma.

A SumOfUs, uma ‘organização de defesa sem fins lucrativos e comunidade online’ que faz campanhas para responsabilizar corporações por infrações, lançou um relatório intitulado ‘Metaverso: outra fossa de conteúdo tóxico’, no qual conta em detalhes as alegações de uma mulher de 21 anos que disse ter sido ‘estuprada por uma gangue’ no metaverso da Meta uma hora após entrar no mundo virtual.

A jovem, que trabalha como pesquisadora para a entidade, afirma que, na ocasião, foi conduzida a uma sala privada de uma festa na plataforma ‘Horizon Worlds’, jogo online de realidade virtual desenvolvido pela companhia que foi lançado em dezembro do ano passado nos EUA e Canadá.

Leia também:

Em seguida, seu avatar foi estuprado por um usuário enquanto outro assistia e distribuía uma garrafa de vodka virtual. Além disso, outros presenciaram a situação através de uma janela.

Em um vídeo recente publicado pela SumOfUs, o avatar gravado comenta: “Veja isso. É um espetáculo gratuito”.

“Você vai precisar de mais disso, baixinha”, continua um dos espectadores, enquanto passa a garra virtual adiante.

No metaverso, quando um usuário é tocado por outro, o controle da mão vibra. A situação causa “uma experiência física muito desorientadora e até perturbadora durante um ataque virtual”.

Um porta-voz do Meta destacou que a pesquisadora não tinha o recurso Personal Boundary ativado – uma ferramenta de segurança que é ativada por padrão e impede que não amigos de plataforma cheguem a um metro do seu avatar.

Além desse caso, o relatório da SumOfUs listou outras situações envolvendo assédio sexual que ocorreram no metaverso.

Em 2021, a cofundadora e vice-presidente de pesquisa de metaversos no Kabuni, Nina Jane Patel, disse que foi “assediada verbal e sexualmente” em um minuto após entrar no ‘Horizon Worlds'.

*As informações são do Daily Mail.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos