Mulher de Iowa, considerada a pessoa mais velha dos EUA, morre aos 115 anos

Por Kanishka Singh

(Reuters) - Uma mulher em Iowa, que acredita-se ser a pessoa mais velha dos Estados Unidos e vivenciou eventos históricos como as duas guerras mundiais, a Grande Depressão, a gripe espanhola e a pandemia de Covid-19, morreu aos 115 anos.

Bessie Hendricks morreu nesta terça-feira em uma casa de idosos em Lake City, segundo a casa funerária Lampe & Powers.

Hendricks nasceu em 7 de novembro de 1907 e era listada pelo Grupo de Pesquisa de Gerontologia, sediado em Los Angeles, como a pessoa mais velha dos Estados Unidos.

Ela deu aula em uma escola de apenas uma sala no condado de Calhoun, onde nasceu, no Iowa, e criou cinco filhos. Dois deles morreram antes dela, segundo o USA Today.

Quando completou 112 anos, Hendricks afirmou à imprensa local que o segredo da sua vida longa era "trabalho duro". Sua filha afirmou na época que Hendricks quase nunca tomava remédio e gostava de doces.

A morte de Hendricks deixa Edie Ceccarelli, da Califórnia, como a pessoa mais velha dos EUA, segundo os dados do Grupo de Pesquisa de Gerontologia. Cecarelli pode completar 115 anos em 5 de fevereiro.

(Reportagem de Kanishka Singh em Washington)