Mulher de Jacaré, ex-É o Tchan, fala da vida no Canadá com a família: 'A língua é um desafio diário'

·2 minuto de leitura

Já se passaram quase cinco anos desde que Edson Gomes Cardoso Santos, mais conhecido como Jacaré, o famoso dançarino do auge do É o Tchan, saiu com a família do Brasil para viver no Canadá. Hoje, aos 48, ele e a mulher, Gabriela Mesquita, trabalham numa agência de imigração para brasileiros que querem morar no país da América do Norte. Desde que se mudaram, o ex-dançarino já fez figuração em séries para TV e filmes, e gravou até um comercial para a agência que trabalha atualmente. Em conversa com seguidores, Gabriela, que se formou no início de 2020 em Gestão Financeira, falou da vida na cidade de Vancouver, onde vivem com o casal de filhos, e disse que a maior dificuldade é mesmo a língua.

Leia também: Nora de Carla Perez é da República Dominicana e namora caçula da ex-dançarina há 1 ano

"É um excelente lugar pra trabalhar e viver. Muitos aspectos são diferentes do Brasil, como legislação, impostos e outros. Mas uma diferença grande é que aqui dificilmente uma pessoa com status legal fica desempregado. A maior barreira na minha opinião é o idioma. O clima em Vancouver é muito tranquilo e a cidade é preparada para o inverno. A cultura não é uma barreira, apenas um belo aprendizado", disse Gabriela, casada há 21 anos com Jacaré.

Gabriela disse também que ela e o marido sentem muita falta da família, mas que só poderão visitar o Brasil no ano que vem. A rotina no Canadá é muito diferente da que levavam quando Jacaré dançava no grupo e fazia televisão. "O que mais fazemos é sair para passear com os amigos. Não existe tanta opção. Show por aqui, esquece. Não é como no nosso país. Já as crianças vieram muito novas (3 anos e 7 meses), então não tiveram nenhuma dificuldade de adaptação".

Apesar de ter o idioma como maior desafio, a família vai se virando bem: "É um desafio diário. Trabalho como imigração e consigo me comunicar no inglês, mas nunca será minha primeira língua. Ainda penso em português e não sei se isso irá mudar um dia".