Mulher morre após abordagem policial e família denuncia excessos

Mulher tem mal súbito durante abordagem policial em Uberlândia. Foto: GettyImages.
Mulher tem mal súbito durante abordagem policial em Uberlândia. Foto: GettyImages.
  • Caso aconteceu em Uberlândia (MG)

  • Mulher teve mal súbito em frente aos filhos

  • Parentes relatam detalhes da abordagem policial

Após uma abordagem policial, uma mulher acabou falecendo de mal súbito em Uberlândia (MG), no último sábado (18). Para familiares de Franciele Aparecida, de 34 anos, houve erro na conduta dos policiais, além de demora no atendimento da vítima.

O momento da abordagem foi gravado em vídeo. Conforme mostram as imagens, viaturas estacionam próximo a um comércio no Bairro Tocantins. Lá estavam Franciele, seu marido, o vendedor Eduardo de Oliveira e o filho do casal, de 4 anos.

“Tava trabalhando, lavando minha calçada, aí minha esposa chegou para trazer o almoço pra mim e para o meu filho de 4 anos. Automaticamente vieram várias viaturas abordando eu e ela”, contou Eduardo ao portal G1.

Ainda segundo o vendedor, os policiais realizaram uma revista no estabelecimento. Eduardo era alvo de uma operação policial ele já esteve preso e usa tornozeleira eletrônica.

“Eu nem tenho como falar o porquê. Eles estão tendo uma perseguição comigo há 3 meses. Antes dessa, já tinham ido 2 vezes no meu estabelecimento caçando arma, falando que era 'disque denúncia', e não acharam nada”, denunciou.

Em seguida, os policiais levaram o casal até a casa deles para realizar mais revistas. Lá estavam os outros dois filhos do casal, incluindo uma adolescente de 14 anos, que relatou que a mãe começou a passar mal e teve convulsões.

“O policial veio e falou assim: 'o que você tá sentindo?’, ela disse ‘eu to passando muito mal’. Ele perguntou se queria que pegasse uma coberta, porque ela estava de vestido, e ela falou ‘sim’. Nisso, ela sentou no sofá, e eu perguntei se ela queria um prato de comida. Ela falou ‘eu quero’', aí eu fui lá e peguei. Na hora que voltei ela começou a ter a convulsão”, disse a jovem.

Franciele foi encaminhada para a Unidade de Atendimento Integrado do Bairro Luizote de Freitas. Segundo parentes, ela teve seis paradas cardíacas. No laudo médico, a causa da morte foi dada como “indeterminada”.

Uma tia da vítima afirma que a sobrinha nunca teve convulsões. “Ela não tinha nada. A pressão foi tanta que, olha para você ver, levou a pessoa à morte. E tem a questão também dela já estar passando mal aqui, até mesmo antes da filha gritar. Quando a filha viu que não tinha mais jeito, começou a gritar. Eles falaram que não era nada, que era só uma crise”, disse Sabrina Lima.

Por isso, ela acredita que houve exagero na conduta dos policiais. “É uma covardia, porque eles poderiam ter dado socorro para a ela, independente se eles estavam fazendo ou deixando de fazer o trabalho deles, eles deveriam ter dado o socorro. Todo mundo viu que eles até fecharam o portão, que falaram que não ia dar o socorro, que eles iriam ficar lá dentro”.

“Eu estou me sentindo um nada, eu fiquei sem esposa, meus filhos ficaram sem mãe, e é muito difícil. É tanta injustiça que eu chego até a perder minha esposa? Eu quero justiça”, lamentou o viúvo.

O capitão Elias Alves, chefe de comunicação da PM, afirmou, ao portal G1, que"todo o procedimento na ação policial foi legal, legítimo e amparado no cumprimento de uma determinação da 4ª Vara Criminal da comarca de Uberlândia, portanto, toda a ação policial foi respaldada pela Justiça. A Franciele teve um mal súbito durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão e foi devidamente socorrida à unidade de saúde, no caso a UAI Luizote".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos