Mulher morre após ficar 24 dias internada por piercing inflamado

Jovem de 20 anos morre após ficar um mês com piercing inflamado - Foto: Reprodução
Jovem de 20 anos morre após ficar um mês com piercing inflamado - Foto: Reprodução

Morreu no último sábado, 9, a jovem Andressa Souza, de 20 anos, após ficar 24 dias internada na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital da Vida, em Dourados, Mato Grosso do Sul, por conta de uma inflamação causada por um piercing.

Segundo a mãe da jovem, Maria Aparecida da Silva Oliveira, de 47 anos, o acessório acabou infectando a corrente sanguínea da filha e a infecção se alojou no cérebro.

"Há poucos dias dela ter sido internada, a minha filha tinha colocado um piercing na boca. Infeccionou e inchou, ela não conseguia tirar. Depois de vários exames, o médico constatou que foi o piercing que provocou toda a complicação. A infecção se alastrou rápido, tomou conta de 37% do cérebro da minha filha", disse a mulher em entrevista ao g1.

Maria informou ainda que a filha pagou R$ 60 para colocar o acessório. Porém, a mãe não sabia se o estabelecimento era apropriado para realizar o procedimento.

Inicialmente a família da jovem acreditava que Andressa estava com dengue.

"No começo a gente achou que era dengue. Várias pessoas pegaram dengue lá em casa. Minha filha estava com dor de cabeça e febre. O médico medicou a Andressa e ela veio embora", detalhou a mãe.

No entanto, após o retorno pra casa, Maria Aparecida disse que o quadro da filha piorou. Após uma videochamada com a mãe, Andressa voltou para o hospital. "Fizeram o pedido do exame de dengue, mas deu negativo".

Após uma ressonância, os médicos identificaram que a jovem tinha algum problema de saúde na região da cabeça. E depois do exame de imagem, o médico disse para Maria Aparecida que o quadro da filha já estava avançado.

"O médico disse para se despedir dela pq para frente não sabia o que ia acontecer. O que os médicos puderam fazer, foi feito".

Durante o período que a jovem ficou no hospital, ela esteve entubada. Andressa era casada e deixa um filho de 3 anos.

“Ele também está inconformado porque, por mais que seja pequenininho, viu a mãe dele naquela situação. Para ele está muito difícil”, contou a mãe de Andressa.

Ainda de acordo com Maria, o neto deve continuar com o pai. A jovem foi sepultada em Itaporã (MS), cidade vizinha a Dourados.

"O meu neto já morava com o pai, vai continuar com ele", finaliza Maria Aparecida.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos