Mulher morre em confusão por máscara em hipermercado no Paraná

KATNA BARAN

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Uma confusão provocada pelo uso obrigatório de máscaras de proteção contra o novo coronavírus causou a morte de uma funcionária de um hipermercado de Araucária, na região metropolitana de Curitiba, na tarde desta terça-feira (28).

Um cliente do hipermercado tentava entrar no estabelecimento por volta das 15h30 sem usar o equipamento de proteção, mas foi impedido pelo segurança do local.

Segundo o diretor-geral de segurança do município, Antonio dos Santos de Souza, o funcionário acabou atirando contra o cliente após ambos entrarem em luta corporal na porta do estabelecimento.

O tiro acertou o cliente na região abdominal e também o pescoço de uma funcionária de 45 anos do hipermercado, que não resistiu ao ferimento e morreu no local.

O cliente foi atendido por uma ambulância do Siate e precisou ser levado de helicóptero da Polícia Militar para um hospital de Curitiba. Ainda não há informações sobre o estado de saúde dele. O segurança do hipermercado por preso, segundo Souza.

Procurada pela reportagem, a assessoria do estabelecimento disse, em nota, que lamenta o ocorrido e que está prestando apoio à família da vítima. A empresa afirma que está contribuindo com as investigações para que as autoridades esclareçam os fatos.

A rede apontou ainda que, segundo informações coletadas pela guarda municipal de Araucária, o segurança tentou oferecer uma máscara da empresa, sem custo, para que o cliente pudesse fazer as compras. Mesmo assim, o funcionário teria sido agredido e, em meio à confusão, o cliente tentou pegar a arma do segurança.

Ainda segundo o supermercado, a fiscal da loja que foi atingida e acabou morrendo estava tentando apaziguar a situação e prestar os esclarecimentos sobre os decretos que determinam o uso do equipamento de proteção.

Em Araucária, o uso de máscaras de proteção para evitar a disseminação do novo coronavírus é obrigatório em repartições públicas e no comércio. Caso seja flagrado descumprindo a medida, o estabelecimento pode ter o alvará cancelado.