Mulher morre em Goiás após procedimento estético feito por falso médico

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Ronilza não resistiu às infecções - Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Ronilza não resistiu às infecções - Foto: Reprodução/TV Anhanguera
  • Ronilza vivia na Inglaterra e fez procedimento estético em Anápolis

  • Dias depois, passou mal e foi diagnosticada com infecções causadas pela intervenção

  • A cirurgia foi feita por um falso médico, auxiliado por um estudante de medicina

Uma mulher de 45 anos morreu na noite do último sábado, em Goiás, após a realização de um procedimento estético por um falso médico. Ela estava internada com infecções causadas pelas intervenções desde o dia 27 de março, mas não resistiu.

De acordo com a TV Anhanguera, Ronilza Johnson realizou procedimento para aumentar o bumbum em uma clínica clandestina em Anápolis, a 55 km de Goiânia. Após a cirurgia, a mulher teve reações e precisou ser encaminhada a um hospital, onde foram descobertas as infecções.

Leia também

Segundo a investigação da delegada Cynthia Alves Costa, um biomédico que se apresentava com um certificado falso de médico foi o responsável pela realização do procedimento. Lucas Santana teve a ajuda de um estudante de medicina, Thierry Cardoso, na realização da cirurgia.

De acordo com Cynthia, os suspeitos devem responder por lesão corporal seguida de morte, além de exercício ilegal da medicina e falsidade ideológica. A investigadora destacou, ainda, que pode pedir a prisão preventiva da dupla.

Clínica clandestina foi fechada após a morte da mulher - Foto: Reprodução/Polícia Civil
Clínica clandestina foi fechada após a morte da mulher - Foto: Reprodução/Polícia Civil

Ronilza teve graves infecções

Ronilza vivia na Inglaterra e decidiu passar pela cirurgia em uma viagem ao Brasil para visitar o pai, após indicações de amigos. No procedimento, Lucas usou a substância polimetilmetacrilato, que, apesar de não ser proibida no país, não é indicada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia para tal procedimento.

"O procedimento foi feito de forma ilegal, o que já foi verificado. Ela passou mal uma semana depois e vizinhos chamaram uma ambulância", explicou Cynthia.

Dias após a intervenção, a mulher foi diagnosticada com diversas infecções, que necrosaram e se transformaram em feridas. No hospital, ela denunciou os suspeitos antes que seu quadro se agravasse.

Além dos processos contra Lucas e Thierry, a clínica em que foi realizado o procedimento foi fechada pela Vigilância Sanitária por falta de alvará de funcionamento.