Mulher morre em ponto de ônibus no Rio e corpo passa toda a madrugada à espera de remoção

·2 minuto de leitura
Corpo da mulher ainda estava no local no início da manhã - Foto: Reprodução/TV Globo
Corpo da mulher ainda estava no local no início da manhã - Foto: Reprodução/TV Globo
  • Cristiane morreu após passar mal duas vezes em um ponto de ônibus no Rio

  • Seu corpo ficou quase 15 horas à espera da remoção, enquanto as autoridades transferiam a responsabilidade uma para a outra

  • O marido de Cristiane lamentou o ocorrido e explicou que a mulher era hipertensa

Uma mulher de 42 anos morreu na tarde da última terça-feira em um ponto de ônibus no Caju, Zona Portuária do Rio de Janeiro. A remoção de seu corpo, porém, aconteceu somente 14 horas depois, na manhã desta quarta. As informações são do G1.

De acordo com o site, Cristiane Pedro Gomes sentiu-se mal quando voltava do trabalho e desmaiou por volta das 18 horas de terça. Outras pessoas que estavam no ponto e policiais da região conseguiram reanimá-la, e ela chegou a passar os contatos do marido e do filho.

Leia também

Porém, antes que os parentes pudessem chegar ao local, Cristiane voltou a ter um mal súbito e, desta vez, não resistiu. Marido da auxiliar de limpeza, Alexandre Graciano contou que o Samu esteve no local e deu o atestado de óbito, mas não removeu o corpo.

Começou, então, um jogo de “empurrar” a responsabilidade por parte das autoridades, como o próprio Alexandre definiu. Ele ligou para o Instituto Médico Legal (IML) remover o corpo, mas ninguém apareceu. O Samu foi novamente contatado, mas alegou que tratava-se de um trabalho da Polícia Civil, que, por sua vez, voltou a transferir a incumbência ao Samu.

Cristiane ao lado do marido, Alexandre - Foto: Reprodução/TV Globo
Cristiane ao lado do marido, Alexandre - Foto: Reprodução/TV Globo

“A luta é essa aí para remover o corpo. A Polícia Civil disse que era com a Defesa Civil ou com o Samu. O Samu pedia que entrasse em contato com a Defesa Civil. Liguei para lá mais de cinco vezes, e eles empurravam de novo para o Samu. Nesse 'fica empurrando', estou até agora sem resolver as coisas”, declarou o marido ao Bom Dia Rio, da TV Globo.

A Polícia Civil garantiu à reportagem da emissora que não tinha ciência do caso. Já a Polícia Militar explicou que a responsabilidade pela remoção do corpo é da Polícia Civil somente em casos de morte violenta, o que não aconteceu com Cristiane.

Corpo removido pela manhã

Depois de uma longa espera, o corpo da mulher foi finalmente removido às 8h50 desta quarta-feira, quase 15 horas após ela ter passado mal pela primeira vez. A causa da morte ainda não foi descoberta, mas Alexandre explicou que a esposa era hipertensa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos