Mulher encontrada morta em propriedade de João de Deus foi estuprada e sofreu traumatismo craniano

·2 minuto de leitura
Japonesa encontrada morta em cachoeira da Casa Dom Inácio de Loyola em Goiás - Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Japonesa encontrada morta em cachoeira da Casa Dom Inácio de Loyola em Goiás - Foto: Reprodução/TV Anhanguera

A perícia realizada no corpo da mulher japonesa encontrada morta em uma cachoeira da Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO), apontou traumatismo craniano como a causa do óbito. Segundo o portal G1, o suspeito, que está preso, alegou primeiramente enforcamento. Contudo, depois admitiu ter roubado e estuprado a vítima antes de golpeá-la na cabeça.

“A morte foi causada por um traumatismo craniano, provocado provavelmente por um objeto contundente, que acredito ter sido uma pedra. Interrogamos o suspeito novamente e ele acabou confessando que estuprou a japonesa. A intenção era roubá-la, mas ele a viu saindo da cachoeira de biquíni e acabou a estuprando", disse Isabella Lima e Silva, delegada responsável pelo caso ao G1.

Leia também

O inquérito foi concluído nesta quarta-feira (25) e indiciou Rafael Lima Costa, de 18 anos, pelos crimes de latrocínio, estupro e ocultação de cadáver.

De acordo com a delegada, foi a confissão do suspeito que fez a polícia imputar também o crime de estupro, já que o corpo já se encontrava em um estado que impedia a realização de um exame para confirmar o crime. Rafael está preso desde o dia 17 de novembro.

A vítima, que fazia tratamento espiritual há dois anos na Casa Dom Inácio, estava desaparecida desde o dia 10 de novembro. Porém, amigos só comunicaram o sumiço à Polícia Civil cinco dias depois.

O corpo de Hitomi Akamatsu foi localizado em 16 de novembro, cerca de dez metros de uma cachoeira que fica na propriedade da Casa Dom Inácio de Loyola, local que ficou famoso por ser fundado por João de Deus.

Segundo o G1, imagens do circuito interno mostram Rafael Lima deixando o local depois do crime. Ele já havia sido investigado por atos contra uma mulher e uma jovem. Todos os casos aconteceram em Abadiânia.