Mulher que fingiu ter câncer é indiciada após enganar ex-namorados e ex-sogras

Suspeita chegou a gravar vídeos raspando o cabelo e em setor de oncologia de hospital

Mulher foi indiciada após fingir câncer para arrecadar com doações - Foto: Divulgação/Polícia Civil
Mulher foi indiciada após fingir câncer para arrecadar com doações - Foto: Divulgação/Polícia Civil
  • Mulher de 27 anos foi indiciada por estelionato depois de fingir ter câncer para arrecadar com doações

  • Entre as pessoas que denunciaram que foram enganadas por ela, estão ex-namorados e ex-sogras

  • Camila chegou a publicar vídeos raspando o cabelo e fazendo supostos tratamentos contra o câncer

Uma mulher de 27 anos foi indiciada por estelionato após fingir ter câncer para aplicar golpes financeiros e lucrar com doações no sul de Goiás.

De acordo com informações do portal g1, o delegado responsável pelo caso na cidade de Morrinhos, Fernando Gontijo, explicou que Camila Maria Barbosa chegou a enganar ex-namorados e ex-sogras.

"Algumas vítimas compareceram à delegacia e registraram ocorrência, geralmente pessoas próximas a ela, como ex-namorados e ex-sogras, e que tiveram maior contato com a autora e realizaram doações de maior vulto econômico [maior valor]", declarou.

Camila costumava gravar e publicar vídeos raspando o próprio cabelo e em supostas sessões de quimioterapia. Tudo para fazer campanhas e rifas a fim de arrecadar o maior valor financeiro possível.

A jovem chegou a postar fotos em que mostrava o setor de oncologia do Hospital Araújo Jorge, em Goiânia, onde supostamente fazia tratamento contra o câncer.

O centro médico, no entanto, garantiu que a mulher jamais foi paciente lá e que chegou a ter de expulsá-la em algumas oportunidades por estar no local sem autorização.

O que diz a suspeita

À polícia, Camila afirmou que teve câncer de mama quando mais jovem, foi curada, mas descobriu recentemente metástase no pulmão e no intestino.

Ela garantiu, ainda, que fez sete sessões de quimioterapia no Hospital Araújo Jorge, mas que o tratamento foi encerrado depois que a equipe médica perdeu seu prontuário.

A Polícia Civil realizou mandado de busca e apreensão na casa da suspeita e coletou diversos documentos e exames. Nenhum mostrou que ela tem câncer.