Mulher que mobilizou cidade por morte do marido agora é presa como principal suspeita; entenda

·3 minuto de leitura
Ana Cláudia é apontada como principal suspeita pelo crime - Foto: Divulgação
Ana Cláudia é apontada como principal suspeita pelo crime - Foto: Divulgação
  • Ana Cláudia Flor foi presa como principal suspeita pelo assassinato do marido, Toni da Silva Flor

  • A mulher chegou a organizar carreata pedindo justiça pela morte do rapaz no ano passado

  • Investigação, porém, apontou que foi ela quem organizou a execução de Toni na porta de uma academia

A Polícia Civil de Cuiabá divulgou detalhes sobre a investigação que levou Ana Cláudia Flor a ser presa como principal suspeita pelo assassinato do marido, Toni da Silva Flor, no ano passado. As informações são do G1.

Toni tinha 37 anos quando foi morto na porta de uma academia em 11 de agosto de 2020. Ele levou cinco tiros na ocasião. Imagens de uma câmera de segurança registraram o momento em que o rapaz adentra o local após ser baleado.

Leia também

Toni chegou a ser encaminhado a um hospital e submetido a cirurgia, mas não resistiu aos ferimentos. O atirador fugiu.

Após o crime, Ana Cláudia tornou-se voz ativa na luta por justiça, organizou carreata em homenagem ao marido e chegou a confeccionar camisetas com o rosto do rapaz para distribuir entre os amigos.

Depois de um ano de investigação, porém, a polícia apontou a mulher como mandante do crime. A motivação teria sido financeira, uma vez que a empresa de Toni começava a crescer e o marido vinha tendo renda mensal de R$ 50 mil.

Toni foi assassinado em agosto do ano passado - Foto: Reprodução/Facebook
Toni foi assassinado em agosto do ano passado - Foto: Reprodução/Facebook

Detalhes da investigação

Imediatamente após o crime, Ana Cláudia adotou a versão de que Toni havia sido morto por engano, uma vez que um agente da Polícia Rodoviária Federal treinava na mesma academia e, segundo ela, seria o alvo do ataque.

Já de início, porém, a polícia descartou a possibilidade. Isso porque o tal agente frequentava o local apenas à tarde, e Toni foi morto pela manhã. “A vítima saiu de casa às 6:30, o suspeito às 6:45 estava já na porta da academia. Era como se tivesse uma escuta dentro da casa da vítima”, disse o delegado Marcel Gomes de Oliveira, responsável pelo inquérito.

Duas semanas depois, a polícia recebeu a denúncia de que um rapaz chamado Igor Espinosa havia comentado que matou um lutador de jiu-jitsu na porta de uma academia. Oliveira explicou que, segundo a acusação, “esse crime teria sido encomendado pela viúva”.

Os agentes seguiram os passos de Igor e o prenderam no último dia 11 de agosto em Cuiabá, após ele morar três meses no Rio de Janeiro, onde teria gasto R$ 20 mil dos R$ 60 mil pagos por Ana Cláudia pela morte de Toni.

A mulher, aliás, estava na delegacia quando Igor foi preso. Depois disso, a polícia conseguiu uma gravação dela comentando com um novo namorado: “Vai sobrar para mim”.

"Durante o seu interrogatório, o Igor confessa na íntegra todos os passos do crime, como praticou o crime, quem foram seus intermediadores, inclusive quem foi a mandante. Então no interrogatório, o Igor afirma que quem teria encomendado a morte do Toni teria sido a própria esposa”, explicou Oliveira.

Ana Cláudia foi presa oito dias depois. O Ministério Público aponta a mulher como a mandante do assassinato. Sua defesa, porém, garante a inocência da cliente. Ela deve ir a júri popular.

Revolta da família

O assassinato e o comportamento de Ana Cláudia após o crime geraram revolta na família. A mulher chegou a visitar a casa da sogra em algumas oportunidades, inclusive no aniversário dela.

“No dia do meu aniversário, ela veio de tardezinha e falou: 'Pensou que eu esqueci da senhora?'. Cantou parabéns pra mim”, relatou Leonice da Silva Flor, mãe de Toni.

Ana Cláudia e Toni tinham três filhas que, segundo relatos dos familiares, eram muito apegadas ao pai. Hoje, as garotas estão vivendo com a avó materna.

“O fato dela planejar e depois ficar um ano ali do nosso lado, nos torturando, nos pressionando e convivendo com a nossa dor, chorando junto com a gente. Eu sinto nojo de tudo isso”, disse Viviane Aparecida da Silva Flor, irmã de Toni.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos