Mulher que morreu por coronavírus no Rio tinha problemas cardíacos, pulmonares e renais

Região da Praça Mauá estava deserta nesta segunda-feira

O município do Rio registrou sua primeira morte por coronavírus, informou, ontem à tarde, a Secretaria estadual de Saúde. É a quata vítima fatal no estado. Trata-se de uma mulher de 58 anos que apresentava doenças crônicas que aumentavam o risco. Ela tinha problemas cardíacos, pulmonares e renais e estava internada num hospital particular no Humaitá, na Zona Sul.

Ontem à tarde, no útimo levantamento, o Estado do Rio apresentava 233 casos confirmados da Covid-19. A capital lidera, com 214 diagnósticos positivos, segundo a Prefeitura do Rio. Logo depois vem Niterói, na Região Metropolitana, com dez casos. Petrópolis e São Gonçalo têm três cada. Barra Mansa, Guapimirim e Miguel Pereira possuem um doente cada. Ainda há dois casos de turistas estrangeiros.

Os outros três óbitos por coronavírus no Rio de Janeiro foram registrados nos municípios de Miguel Pereira, Niterói e Petrópolis. As vítimas eram idosas e apresentavam comorbidades, sendo classificadas como grupo de risco.

O secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, disse ontem que a sociedade finalmente entendeu o risco que o coronavírus representa e está sendo solidária, ficando em casa. Edmar anunciou também que o número 1660 já está à disposição da população para dúvidas a respeito do Covid-19.

Segundo o secretário, nas próximas duas semanas, o número de casos da doença e de mortes continuará aumentando. Mas, ainda de acordo com Edmar, isso é o previsto:

— Acontece que demora duas semanas para acelerar a curva. Não é para desacreditar. É para ficar em casa.

Em relação à promessa para 300 leitos disponíveis no Rio para pacientes com coronavírus, Edmar afirmou que o estado está avançando e esse número deve ser ultrapassado.

— Serão mais 130 amanhã (hoje, terça-feira) e 65 na segunda-feira que vem. Teremos também hospitais de campanha em quatro pontos do estado — destacou.