Mulher se finge de morta para não pagar dívida de R$ 1,4 mil, na Indonésia

Uma mulher da Indonésia está sendo acusada de forjar a própria morte para fugir de uma dívida. Liza Dewi Pramita pediu que a filha adolescente postasse fotos de seu "cadáver" no Facebook para que a pessoa a quem devia de 4,2 milhões de Rúpias Indonésicas — o equivalente a R$ 1,4 mil — as visse e parasse com as cobranças.

Nas imagens, Liza aparece com uma aparência mórbida, de olhos fechados, com a cabeça coberta por um tecido branco e algodões no nariz.

— Havia muitas coisas estranhas. Por isso que, na época, eu não consegui acreditar imediatamente. Quando liguei para o marido dela para fazer uma videochamada, ele não quis desligar imediatamente — contou Maya Gunawan, que fez o empréstimo a Liza, ao Indonesia Posts English.

Segundo Maya, ela decidiu emprestar o dinheiro porque conhecia Liza de um grupo de WhatsApp chamado Arisan — uma espécie de "loteria informal" muito conhecida na Indonésia.A credora pediu informações sobre a mulher e recebeu um retorno de que ela era boa pagadora.

— Amigos me recomendaram fazer o empréstimo — disse Maya ao jornal local Tribun Medan.

Ao emprestar os 4,2 milhões de Rúpia Indonésias, a mulher deixou claro que o pagamento deveria ser feito até 20 de novembro de 2022. Liza não cumpriu o prazo e, ao ser confrontada, alegou que havia tido problemas para conseguir a quantia. Ela, então, pediu uma prorrogação até 6 de dezembro.

Depois, a devedora parou de responder às mensagens de Maya. No dia 11 de dezembro, veio a notícia da "morte". A filha de Liza anunciou no Facebook que a mãe havia morrido num acidente de carro na ponte da cidade de Medan, no norte de Sumatra, uma das maiores ilhas da Indonésia.

Para dar mais veracidade à história, a filha compartilhou, além das fotos da mãe "morta", uma maca com uma equipe empurrando o "cadáver" de Liza coberto por um lençol branco. Em seguida foi anunciado que o enterro ocorreria num local muito distante de Medan, onde a família da devedora vivia. Isso levantou suspeitas em Maya.

A cobradora, então, pesquisou as imagens da "morta" num site de buscas e descobriu que todas as fotos que não mostravam o rosto de Liza haviam sido obtidas na internet. Maya, então, confrontou a adolescente, que não conseguiu sustentar a farsa montada pela mãe e contou a verdade.

Desde que a verdade foi revelada, Liza não foi mais localizada. Maya contou que não denunciou a devedora porque ainda tem esperança que ela apareça.

— Ainda estou esperando a intenção dela em pagar sua dívida, embora ninguém saiba onde se encontra — disse ao Indonesia Posts English.

Caso seja denunciada pela falsa morte Liza pode ser presa e pegar uma pena de, no mínimo, um ano.