SP: Mulher morre ao sofrer descarga elétrica em alambrado de mercado durante corrida

Elaine Regina Domingues Santos, de 40 anos, corria com o marido quando foi atingida por descarga elétrica vinda de alambrado — Foto: Reprodução/Facebook
Elaine Regina Domingues Santos, de 40 anos, corria com o marido quando foi atingida por descarga elétrica vinda de alambrado — Foto: Reprodução/Facebook

A mulher que morreu depois de receber uma descarga elétrica, na noite da última terça-feira (20), ao encostar em um alambrado do supermercado enquanto corria, na Avenida Nuno de Assis, em Bauru (SP), faleceu ainda nos braços do marido.

O marido de Elaine Regina Domingues Santos, de 40 anos, lamentou a morte da esposa e lembrou que fazia uma corrida de rua quando ela parou e encostou na cerca do Tenda Atacado, que estaria eletrizada.

As causas do incidente são investigadas pela Polícia Civil. Não há informações sobre a voltagem da cerca.

Em comunicado, o supermercado Tenda lamentou o ocorrido e informou que a mulher teria passado mal no estacionamento da unidade.

O supermercado diz ainda que a "empresa abriu uma investigação para apurar todos os detalhes. A rede e seus colaboradores se solidarizam com a dor da família diante desta perda irreparável".

Kleber Santos e Elaine estavam juntos havia 22 anos, e tinham um filho de 18 anos. Segundo o Kleber, eles praticavam esportes constantemente, inclusive a corrida.

"A corrida entrou na nossa vida em 2017, porque era um momento em que estávamos preocupados com a saúde. A gente entrou em uma academia de treino funcional, onde o professor que praticava corrida nos apresentou para uma equipe, e nos apaixonamos de vez pelo esporte", relembra.

Elaine, segundo Kleber, morreu em seus braços enquanto eles praticavam a corrida.

"Eu estava com ela, tenho a lembrança viva na minha memória, é uma coisa que jamais vou esquecer. Ela morreu nos meus braços. A cena fica se repetindo na minha cabeça. É uma sensação horrível", lamentou Kleber.

Ainda de acordo com o marido de Elaine, por ser próximo de onde moravam, eles passavam pelo local onde aconteceu o incidente com frequência para treinar corrida. Inclusive, um dos sonhos do casal, segundo ele, era correr uma maratona completa de 42 quilômetros.

"O nosso maior sonho era ver o filho encaminhado, se formando na faculdade, com a profissão definida. Além disso, toda corrida que a gente praticava guardávamos o número do peito para montar um mosaico em um quarto", salienta.

Após o incidente, Elaine chegou a ser levada pelo marido até um hospital particular, mas não resistiu aos ferimentos.