Mulher trans é obrigada pagar valor "para homens" em bar no litoral de SP

·2 min de leitura
Mulher acusa bar de transfobia em Santos (litoral de SP)
Mulher acusa bar de transfobia em Santos, no litoral de SP (Foto: Divulgação)
  • Uma mulher de 37 anos foi obrigada a pagar o valor "para homens" de um bar em Santos (litoral de SP)

  • Milena Augusta, mulher transgênero, mostrou os documentos ainda com o nome de batismo

  • A cliente desabafou em sua rede social e acusou o estabelecimento de transfobia

Uma mulher de 37 anos foi obrigada a pagar o valor "para homens" de um bar em Santos (litoral de São Paulo). Milena Augusta apresentou seus documentos na entrada do estabelecimento, mas por ser transgênero o nome de batismo ainda constava na identidade, que ainda não foi retificada.

O caso ocorreu na última quarta-feira (5). Milena decidiu ir com amigos ao Six Sports Bar. O local oferece dois tipos de entrada: homens pagam R$ 30, enquanto mulheres pagam R$ 15. A recepcionista responsável por cadastrar os clientes e entregar as fichas de consumo alegando que a cliente era um homem.

"Passei por uma grande humilhação, por uma das funcionárias da casa", desabafou Milena em sua rede social. "Falei: 'Como tenho que pagar R$ 30 se mulher para R$ 15?'. 'Porque você, para mim, é um homem'. Eu falei: 'O que você está vendo na sua frente?'. Ela disse: 'Estou vendo uma mulher, mas para mim seu documento é de homem, então você é um homem", relatou.

Milena é santista, mas mora atualmente na Itália com o marido. Ela decidiu voltar ao Brasil para passar um período com a família, enquanto se recupera de uma cirurgia. O tempo na cidade também será usado para atualizar seus documentos.

Em entrevista ao portal G1, Milena contou que a recepcionista "chegou a se desculpar, mas disse que cobraria como se eu fosse um homem mesmo assim". Apesar do constrangimento, ela entrou no bar com os amigos, "para não estragar a noite deles".

Ela enviou o desabafo ao bar, que respondeu com uma mensagem informando que o estabelecimento "não faz distinção de raça, cor ou gênero". Disse, ainda, que fizeram o levantamento e verificaram que o valor foi corrigido pela funcionária, e Milena foi cobrada em R$ 15.

A mensagem, no entanto, não agradou Milena. "A mensagem é muito bonitinha, mas não foi isso o que aconteceu. Sei o que passei dentro da Six", disse ao G1. Ela não pretende voltar ao estabelecimento por enquanto.

O bar se manifestou sobre o episódio de transfobia por meio das redes sociais. Confira a nota na íntegra:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos