Mulher trans foge para Austrália após ser processada por usar véu islâmico na Malásia

·2 min de leitura
Foto: Reprodução/@nursajat24
Foto: Reprodução/@nursajat24
  • Ela foi acusada dentro da Sharat

  • Sajat fugiu primeiro para Tailândia

  • Ela denúncia agressões e abusos por parte das autoridades na Malásia

Uma mulher trans natural da Malásia precisou se refugiar na Austrália depois de sofrer perseguição em seu país por ter usado um véu islâmico em uma sessão de orações.

Nur Sajat concedeu uma entrevista ao jornal norte-americano New York Times, que foi publicada nesta quinta-feira (21).

Na Malásia, o sistema legal é duplo. Enquanto os muçulmanos seguem a lei da Sharia, que é baseada no Islã, o restante da população segue um código civil.

O caso aconteceu em 2018, quando Sajat usou um véu muçulmano para participar de uma oração na inauguração de um prédio na capital do país, Kuala Lumpur. Três anos depois, ela foi processada por insultar o Islã e usado roupas femininas. Com isso, ela estava em risco de ser enviada para um “centro de reabilitação” para pessoas trans.

Ao New York Times, ela disse que sua família é muçulmana e que foi criada nessa religião. Ela garante que faz muita caridade, que é um dos preceitos do Islã, e que seu negócio segue as regras para ser certificado como halal (ou seja, que segue as regras do Islã).

Ela explicou que em janeiro deste ano foi convocada ao departamento de assuntos religiosos do estado onde sua empresa de bem-estar funciona. Ela disse ao jornal que foi ao local com familiares.

Lá, os agentes disseram que foram feitas reclamações sobre ela e, segundo Sajat, pelo menos três homens a chutaram, ela foi algemada e, na corte, os homens passaram as mãos em seus seios.

A história foi confirmada por sua mãe. Ela conta que questionou como homens muçulmanos podem agir daquela forma, ao que eles responderam dizendo que sua filha é um homem, então não teria problema.

No mês seguinte, fevereiro, Sajat fugiu para a Tailândia. Alguns meses depois, o governo local afirmou que ela entrou no país ilegalmente. Foi nesse momento que viajou para a Austrália.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos