Mulheres denunciam invasão de policiais durante topless em piscina privada

·3 minuto de leitura
Mulheres tomavam sol sem a parque de cima do biquini em propriedade privada (Foto: Getty Images)
Mulheres tomavam sol sem a parque de cima do biquini em propriedade privada (Foto: Getty Images)
  • Mulheres denunciaram policiais que invadiram casa onde elas estavam em São Miguel do Gostoso, no RN

  • Elas tomavam sol em uma propriedade privada sem a parte de cima do biquíni

  • Vizinho se incomodou com a situação, invadiu a casa e, em seguida, chamou a polícia

Nos últimos dias, viralizou nas redes sociais o caso de duas mulheres que tomavam sol sem a parte de cima do biquíni, quando foram “denunciadas” por um vizinho. O que chamou atenção é que elas estavam dentro de uma propriedade privada. Agora, as três mulheres envolvidas no caso fizeram uma reclamação formal à Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Norte sobre os policiais envolvidos.

Segundo informações do G1, os policiais civis entraram na casa onde as mulheres estavam sem mandato judicial ou autorização dos donos. Eles foram chamados por um vizinho, reclamando que as mulheres estavam nuas – elas estavam sem a parte de cima do biquíni.

Leia também

O caso aconteceu no dia 7 de setembro em São Miguel do Gostoso, no Rio Grande do Norte, e viralizou após o relato da produtora audiovisual Marana Torrezani, de 35 anos, uma das envolvidas no ocorrido. Segundo informações do G1, ela registrou a denúncia contra os policiais na Ouvidoria da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed).

Agora, foi aberta uma investigação para apurar o caso. Ao G1, o ouvidor-geral, Dimitri Sinedino afirmou que foram determinadas diligências para identificar quem eram os policiais envolvidos e como teria ocorrido a suposta invasão. O caso deve ser encaminhado para a Corregedoria, que pode abrir um processo administrativa. Caso se confirme que houve uma violação, os envolvidos podem ser punidos.

“O que a gente não vai deixar é sem apuração. Esse é o tipo de situação que não pode se repetir com absolutamente nenhum cidadão, na casa de ninguém. A constituição já fala que o domicílio é inviolável a não ser em casos de flagrante, o que a gente não entende que seja o caso”, explicou Sinedino.

Homem invadiu a casa onde estavam as mulheres

Ao G1, Marana relatou que passava o feriado em São Miguel do Gostoso e estava em outra casa, mas foi visitar amigos. Ela e outras duas amigas estavam na piscina sem a parte de cima do biquíni quando um vizinho entrou no local.

“Já o vimos na área da piscina. Pegou a gente dentro da água. Não sei como ele entrou, acho que o portão não estava trancado. Já apareceu xingando, dizendo que a gente estava fazendo pornografia. As outras meninas correram para se cobrir e eu fiquei de dentro da piscina discutindo com ele, dizendo que ele não poderia entrar assim em uma propriedade privada”, descreveu.

Uma janela da casa do homem tem vista para a casa e, segundo Marana, ela e as amigas não imaginaram que alguém estivesse olhando.

Uma hora e meia depois, três agentes da Polícia Civil arrombaram o portão da casa. “Gritavam, um deles ameaçou atirar pra cima, prender, mostrou a algema para mim, disse que ia levar a gente para a delegacia. Empurraram nosso amigo, que caiu no chão. Ficamos tentando apaziguar o tempo todo”, contou.

“Quando o vizinho invadiu e agrediu a gente verbalmente, eu mesma falei: 'então chama a polícia'. Porque na minha cabeça a polícia jamais iria reagir dessa forma nesse tipo de ocorrência. Iria bater no portão e perguntar o que estava acontecendo, iria apaziguar os ânimos. Jamais imaginei que seriam tão agressivos com a gente”, disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos