Mulheres denunciam pastor Joaquim Gonçalves Silva por abuso sexual

·2 minuto de leitura
Pastor Joaquim Gonçalves Silva, da Igreja Tabernáculo da Fé (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Pastor Joaquim Gonçalves Silva, da Igreja Tabernáculo da Fé (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
  • Quatro mulheres denunciaram o pastor Joaquim Gonçalves Silva por abuso sexual

  • Uma das vítimas é menor de idade

  • Abusos teriam acontecido dentro da Igreja Tabernáculo da Fé, em Goiânia

Pelo menos quatro mulheres denunciaram o pastor Joaquim Gonçalves Silva por abuso sexual. O acusado tem 85 anos e atua na Igreja Tabernáculo da Fé, em Goiânia. Os casos foram registrados na Polícia Civil e revelados pelo G1. As vítimas relataram que os abusos aconteceram em atendimento dentro da igreja entre 2002 e 2021.

Ao G1, a defesa do pastor negou as acusações e alegam que as denúncias fazem parte de uma tentativa de tirar Joaquim Gonçalves da Silva do comando da igreja, “É um barulho de uma família que busca derrubar o pastor, mas não vão conseguir, ou seja, não são verdadeiros”, declarou o advogado, Osemar Nazareno Ribeiro.

Leia também

As vítimas relataram que os abusos eram cometidos em momentos de fragilidade, quando elas buscavam se aconselhar com o pastor. Ao G1, as mulheres contaram que, depois dos abusos, foram chantageadas para não contar a ninguém pelo que passaram.

O caso mais recente foi de uma adolescente de 17 anos, que teria acontecido em 6 de janeiro de 2021. Ela falou sobre o caso nas redes sociais.

“Fui pedir conselhos depois de ter problemas no meu relacionamento. Foi quando ele colocou a mão no meu corpo e me deu um beijo. Passou a mão pelos meus seios e desceu até embaixo, quando eu o interrompi. Eu fiquei em choque, nunca na vida eu esperei isso dele”, revelou a vítima. Ela só teve coragem de denunciar três meses após o ocorrido.

O caso foi registrado da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Goiânia. Ao G1, a Polícia Civil afirmou que o caso está sendo investigado e que testemunhas já estão sendo ouvidas. A investigação corre em segredo de justiça, por se tratar de uma menor de idade.

A Igreja Tabernáculo da Fé, que é de responsabilidade do Pastor Joaquim Gonçalves Silva, não retornou a tentativa de contato do G1.