Mulheres plus size buscam título de miss em desfile na Praia do Arpoador

Carolina Callegari

RIO - A Praia do Arpoador, na Zona Sul, vai se transformar em passarela nesta sexta-feira. Modelos de todos os estados do Brasil e do Distrito Federal, totalizando 29 participantes, vão esbanjar beleza e simpatia e mostrar suas curvas no Miss Plus Size Nacional. A novidade da quarta edição do concurso é a categoria Miss Praia de Ipanema GG, que visa a incentivar as mulheres, principalmente as com manequim a partir do número 44, a irem à praia vestindo o biquíni ou maiô que quiserem.

Além de assistir ao evento, que terá início às 15h, o público será convidado a votar: uma urna será instalada no calçadão. O visagista, professor de modelos e manequins e produtor Eduardo Araúju, organizador do evento, diz que a ideia é trabalhar a inclusão, estimulando a autoconfiança.

— Como sei que as mulheres plus size têm vergonha de expor o corpo, achei que era a hora de mostrar que mulher gorda também vai à praia. Por isso quis colocar as concorrentes de maiô no desfile — conta Araúju. — Eu tenho um outro projeto em que coloco mulheres mais velhas de biquíni, criado depois que a (atriz) Betty Faria foi à praia assim (em 2013) e acabou sendoi hostilizada. É preciso mostrar que há a liberdade do corpo e que ninguém deve nada a ninguém.

O Miss Plus Size Nacional continuará no sábado, com um evento no Novohotel Rio Porto Atlântico, na Zona Portuária, a partir das 17h. Neste dia, o concurso vai escolher a Miss Nacional, primeira colocada geral; a Primeira Princesa e a Segunda Princesa (os dois lugares seguintes); a Miss Virtual, eleita com votos de internautas; a Miss Sênior, com mais de 45 anos; e ainda Miss Fotogenia, Miss Simpatia, Miss Popular e Miss Elegância.

Araúju tem organizado concursos de beleza para o universo plus size há dez anos. Nesse tempo, viu a procura pelas competições crescerem ao ponto de ter inscritas pelo país todo, o que proporcionou o lançamento das edições nacionais. Alguns estados precisaram de seletivas regionais para escolher sua representante.

— Já tem menina me perguntando das inscrições para o próximo ano. Eu estou muito feliz porque as pessoas estão querendo participar de um evento de apologia à beleza. Não estou falando de gordura, e sim de oportunidade, de felicidade e de inclusão. Plus size é o tamanho maior. O concurso foi feito para trazer as pessoas para essa realidade. A sociedade apontar o dedo para essa mulher, dizendo que ela não faz parte daquele padrão estipulado, falso, em que tudo tem Photoshop. Eu dou oportunidade para essas mulheres brilharem. Se não olharmos para elas, vai ser pior para sua saúde mental, o que também impacta na saúde do corpo.

As mudanças na sociedade vêm acontecendo aos poucos, diz o produtor, mas ele observa que ainda há muito o que fazer.

— Nos últimos anos vemos marcas fazendo peças para esse público, assim como pessoas gordas na televisão. Mas ainda há tabus a serem quebrados, como em relação ao sexo, e é preciso acabar com o uso de termos pejorativos — diz.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER ( OGlobo_Bairros )