Talibã compara mulheres sem véu a animais

A polícia religiosa do Talibã na cidade afegã de Kandahar colocou placas de rua dizendo que as mulheres muçulmanas que não usam véu que cobrem o rosto estão "tentando se parecer com animais". Os cartazes advertem que usar shorts, roupas apertadas ou transparentes também é contra os decretos do líder supremo do Talibã, Hibatullah Akhundzada.

Conheça: A história do Talibã, que nasceu e cresceu sobre escombros de invasões

Entenda: Desde o século XIX, Afeganistão é túmulo de impérios: veja a cronologia

Na TV: Talibã ordena que apresentadoras de TV do Afeganistão trabalhem com rosto coberto

Um alto funcionário local confirmou a exibição dos cartazes.

— Colocamos esses cartazes e as famílias das mulheres que não estão cobertas serão informadas e as medidas correspondentes serão tomadas com o decreto — disse à AFP Abdul Rahman Tayebi, representante local do ministério em Kandahar.

Desde que chegou ao poder, em agosto do ano passado, o Talibã impôs severas restrições às mulheres afegãs, corroendo os ganhos obtidos nas duas décadas desde que os Estados Unidos invadiram o país e derrubaram o governo anterior do grupo islâmico.

Em maio, o líder supremo aprovou um decreto afirmando que é melhor que as mulheres fiquem em casa. Logo depois, emitiu uma ordem para que as mulheres cobrissem completamente seus corpos e rostos em público.

Conheça: As líderes afegãs que se esconderam ou fugiram do Afeganistão desde chegada do Talibã ao poder

E mais: Talibã diz que mulheres não podem ser forçadas a casar

O decreto de Akhundzada ordena que as autoridades avisem ou suspendam de seus empregos funcionários que sejam parentes de mulheres que não cumpram os regulamentos.

Nesta semana, o Ministério para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício, encarregado de fazer valer a interpretação estrita do Islã que o grupo defende, colocou cartazes nas ruas de Kandahar com imagens de mulheres vestindo burcas, roupas que cobrem o corpo da cabeça aos pés.

Na quarta-feira, a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, criticou o Talibã por sua "opressão sistemática e institucionalizada" das mulheres.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos